For my international friends

quarta-feira, 25 de dezembro de 2013

Feliz natal!

Que a natal de vocês seja abençoado e muito doce!!







sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Adventskranz - Coroa de advento

A coroa de advento é uma decoração típica da época que antecede o natal, normalmente feita num trançado com ramos de Abeto (da família dos pinheiros), decorado e que possui quatro velas, sendo que estas vão sendo acesas uma a uma a partir do primeiro domingo de advento até o quarto.
coroa 2010
A coroa de advento foi introduzida em 1839 pelo teólogo luterano e educador  Johann Hinrich Wichern no norte da Alemanha protestante. Quase um século mais tarde passou também a ser encontrado em áreas católicas. 
coroa 2011
Segundo se conta, o hamburguense (sim, ele era de Hamburg!!) Wichern cuidava de crianças que eram muito pobres. Ele se mudou com elas para uma casa, das Rauhe Haus, e lá cuidou delas. Como as crianças na época de natal sempre de novo perguntavam quando chegaria enfim o dia de natal ele construiu em 1839 a partir de uma roda velha de carroça, um aro de madeira com 20 velas pequenas e 4 velas grandes, usando-as como calendário. Todo dia durante o advento uma vela era acesa, as velas brancas representando os domingos. Essa versão da coroa que abriga no mínimo 18 velas pequenas, quando a véspera de natal cai exatamente no quarto domingo de advento, e no máximo 24 velas pequenas, quando a véspera cai num sábado, está pendurada na igreja St, Michaelis em Hamburg durante a época do natal. (Agora vou ter que ir até lá confirmar essa afirmação porque não lembro de ter reparado nisso,e também pra tirar fotos).
coroa 2012
Desde a tradicional coroa feita pelo Wichert, a coroa foi evoluindo para a coroa que conhecemos hoje,com apenas as velas grandes que representam os domingos. Desde 1860, a coroa é feita de ramos verdes, em especial de algum tipo de pinheiro.
coroa 2013
Há varias interpretações dadas à coroa. O simbolismo original é o aumento da luz como uma expressão da crescente expectativa do nascimento de Jesus Cristo, que é chamado de "Luz do Mundo" para aquelas da fé cristã.

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Tragetuch

Tragetuch é o nome em alemão para o que no Brasil é chamado de sling (que acredito ser o nome da peça em inglês). E ele foi a nossa opção de meio de transporte do nosso bebê. Li bastante a respeito, ouvi muitas coisas contra e a favor, e decidimos remar contra a maré e carregamos até hoje nosso pequeno no pano de mais de 5 metros de comprimento enrolado no corpo. Alguns fizeram cara feia ( a tradição na Alemanha diz que Opas e Omas compram o carrinho de bebê), mas batemos o pé e ficamos só com a opção do Tragetuch mesmo. E foi a melhor escolha que poderíamos ter feito. Naquelas primeiras semanas, em que ele não queria dormir de jeito nenhum, que ele ficava agitado no meio da noite, a nossa salvação foi ter o sling! Era só colocar ele lá dentro e puff, dormia feito um anjinho. Quantas e quantas voltas o Lukas não deu com ele lá fora no comecinho da manhã pra que eu pudesse dormir mais um pouquinho... E pra eu fazer as coisas na casa enquanto ele não quer sair do colo... Cozinhar, passar roupa, encher e esvaziar a máquina de lavar roupa e secadora.... Enfim, "pano" pra toda obra mesmo! Até hoje o Leopold abre aquele sorrizão só de ver a gente pegando o macacão de ursinho ( macacão super mega quente pra não passar frio agora no inverno alemão) e o pano colorido! É tão lindo de ver!


Desde semana retrasada temos um carrinho usado da filha dum primo da minha Oma, que ganhamos por insistência da minha tia-avó... Agora ela e todas as demais pessoas contra o Tragetuch estão tranquilas crentes que é com isso que levamos o Leopold pra passear. Nós na realidade continuamos usando o Tragetuch, o carrinho só em dias de fazer as compras no supermercado, porque afinal ele tem aquelas cestinhas embaixo que dá pra jogar mais um monte de coisas dentro, então facilita, mas o sling vai sempre junto pro caso do pequeno querer.


quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Xale novo

Entre uma mamada e outra e sonecas do pequeno consegui terminar meu primeiro projeto artístico desde que ele nasceu! Vai esquentar as costas nesse inverno meia-boca que estamos tendo até entao... hhehehhe


segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

sábado natalino

O final de semana começou turbulento devido ao furacão que passou pelo norte da Alemanha. Mas trouxe consigo a primeira neve do inverno, coincidentemente de novo no dia do Nikolaus, 06 de dezembro.


E sábado amanhecemos com tudo branquinho lá fora. As crianças da vizinhança inclusive fizeram um boneco de neve!


À tarde queríamos ir ao Weihnachtsmarkt em Bergedorf (já mostrei o bairro aqui), porque fiquei sabendo que a feirinha de lá era em estilo medieval em frente ao Schloss. 


Por coincidência ainda descobri que a S-bahn especial de natal estava fazendo o trajeto até lá. Juntamos o útil ao agradável e pegamos uma carona no trem do Weihnachtsmann. Eles (Historische S-Bahn Hamburg) pegam um trem antigo, decoram e fazem passeios pela cidade. Normalmente esses passeio são cobrados extra, mas esse do natal qualquer pessoa com o ticket normal de transporte da cidade pode usar. Dentro do trem são vendidos bolo, café e Glühwein e um calendário da associação.


E domingo ainda foi dia de acender a segunda vela da coroa de advento!



Final de semana super natalino!

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

é muito amor

O Lukas frequenta um clube de  tiro aqui em Hamburg, pra treinar arco e flecha. Dia desses ele aparece em casa com um sacola de supermercado com dois pratos dentro. Um senhorzinho do Verein (como se chamam as associações por aqui) tinha mandado o jogo de pratos que era dele quando criança. E que passou pela irmã, pelos filhos e pelos netos e que não teriam mais uso. Então deu de presente pro Leopold. E na semana seguinte ainda mandou também os talheres. Não é muito amor?!

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Coisas que não te dizem - os dois primeiros meses são punk

Agora que as coisas estão ficando mais calmas, e posso curtir com mais gosto essa coisa da maternidade, também já dá pra vir aqui dizer que o começo é tenso! Não é pra desanimar ninguém não viu, mas verdade seja dita, nada de mar de rosas como se faz parecer pelos comentários das pessoas quando da notícia de uma gravidez ou do nascimento de um pequeno ser. É uma alarde geral, uma felicidade toda, mas ninguém chega e te diz o que te espera de verdade! Eu gostaria muito de ter ouvido algumas verdades sobre os primeiros dia, na realidade já a começar pelo parto. Acho que as pessoas tem medo de assustar as grávidas de primeira viagem, mas sério, eu gostaria muito que tivessem me dito que no primeiro mês (em especial) nada é tão lindo e cheiroso como as fotos compartilhadas em feicibúqui e afins nos faz acreditar. Por trás daquelas fotos mágicas e fofinhas existe com toda certeza uma mãe cansada, com dores do pós parto (sim, mesmo o parto normal te deixa com dores depois, isso ninguém conta), sem saber ao certo o que fazer, chorando desesperadamente. Sim, eu chorei, muitas e muitas vezes debaixo do chuveiro, com os peitos absurdamente cheios e doloridos... Chorei eu, chorou o bebê e chorou o papi dele também... Das vontades de jogar aquela criaturinha linda e chorona pela janela já comentei num post anterior... E da vontade de voltar atrás te aviso agora... E só posso/tive coragem de escrever isso aqui agora, agora que as coisas já estão mais normais, que eu me apaixono cada dia mais pelo meu pequeno, que claro, ainda dá um trabalhão, mas já não bate mais o desespero... Dá pra olhar pra trás e dizer, graças a Deus essa etapa eu passei, graças a Deus a oscilação hormonal já não é mais a regra aqui, eu já tenho um pouco mais de domínio sobre as minhas faculdade mentais e o meu corpo! E agora já não rola mais a insegurança das primeiras semanas, quando os palpites de como seu bebê deve ou não dormir, como você deve ou não carregar a criança, quando rola aquela dúvida, mas será que fulano não tem razão?!, quando tudo o que você sempre defendeu/acreditou não é levado a sério por mais ninguém  (especialmente da família). Mas daí, agora que já está tudo mais calmo, e você vê seu filho adormecendo sozinho na cadeirinha dele, você passa a re-acreditar em si mesma e nas idéias que já tinha desde antes dele nascer e consegue dizer pra si mesma: "Estou fazendo o que eu acho o que é certo e está funcionando. Vou continuar seguindo meu coração."

terça-feira, 19 de novembro de 2013

as fraldas de pano

As fraldas de pano já estão sendo usadas a todo vapor por aqui, e estou bem satisfeita com elas. No começo usamos as descartáveis porque o pequeno nasceu tao magrelo que as fraldas ficavam gigantes e não iriam segurar é nada. Aos poucos fomos introduzindo as de pano e agora até à noite elas aguentam tranquilamente, claro que ele ainda não dorme muitas horas seguidas, então a cada acordada tem uma troca, mas acredito que mesmo depois que ele dormir mais horas seguidas durante a noite (oremos pra que seja logo) elas ainda vão segurar super bem o que devem segurar.



segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Flohmarkt

Num domingo desses fui passear num Flohmarkt (mercado de pulgas/brechó) de produtos infantis. Por aqui é super comum esse tipo de coisa, existe Flohmarkt pra tudo quase o ano todo, mas especialmente na primavera e no outono. Desde a gravidez nós frequentamos alguns pra encontrar e comprar coisas pro bebê que fossem boas e baratas. E nós olhamos especialmente livros, que aqui no geral já são baratos, mas nesses mercados encontramos muitos livrinhos das antigas, com desenhos diferentes, do estilo que nós tínhamos quando crianças, que são os que a gente mais gosta. Muita coisa em bom estado por um precinho camarada. Enfim, resumindo o que queria dizer, esse meu último passeio por um Flohmarkt me rendeu ótimas comprinhas, por meros 10,50 euros!! Dá pra acreditar?? Em alguns livrinhos paguei mais do que por algumas das pecas de roupa e está tudo perfeitinho, se eu não dissesse que foram comprados em mercado de pulgas ninguém nem desconfiaria...


terça-feira, 5 de novembro de 2013

Outono

Entre trocas de fraldas e mamadas, de vez em quando dá pra dar um pulinho lá fora e aproveitar um pouco a minha estacao favorita, pena que passa tao rápido (ou é minha percepcao, afinal quase não tenho mais tempo de sair com calma só pra tirar fotos).



domingo, 3 de novembro de 2013

só come e dorme

É a típica frase que se diz de bebês novinhos... só queria saber onde é que fica a parte do dorme...?!! Alguém viu perdida por aí?!!

Não é que o Leopold não durma, mas não é aquela coisa mais fácil do mundo fazer ele dormir não. Certo que o culpado no começo eram as cólicas, mas agora (gracas a Deus e às gotinhas milagrosas - BiGaia caso você esteja na Alemanha com seu filho sofrendo como o meu) a parte complicada é colocar ele pra dormir, especialmente durante o dia. Luta como um leão pra não ser levado pelo sono, e colocar no berço então... suplício... mas vamos que vamos que um dia ele aprende que dormir é bom e que faz bem pro humor do papi e da mami dele.

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Hebamme

Já comentei por aqui sobre ser acompanhada por uma Hebamme durante a gravidez. As Hebammes na Alemanha, são o que no Brasil chamaríamos de doulas ou parteiras. Eu gostei tanto dessa assistência delas por aqui que vou contar pra vocês com foi/está sendo comigo. Em geral todas as mulheres grávidas e recém paridas aqui na Alemanha tem o acompanhamento dessas mulheres, tudo pago pelo seguro saúde (pelo menos os públicos).

Logo na primeira consulta com a ginecologista, pra confirmar a gravidez e dar início ao pré-natal, fomos encaminhados à uma Hebamme. Eu não fazia idéia do que era e pra quê servia, chegamos na sala da nossa pela primeira vez meio perdidos. Aí ela nos explicou que aqui na Alemanha o acompanhamento de grávidas é feito alternadamente entre o ginecologista e Hebamme. E assim foi, desde então nossas consultas eram sempre uma vez com a médica  e outra com a Hebamme. E se vocês perceberam, eu não disse nada de médico obstetra, nem sei se aqui tem esse tipo de especialidade... aqui o médico que te acompanha na gravidez é o mesmo que faz seus exames de rotina! Com ela fazíamos os ultrasons e conversávamos coisas mais "médicas", tipo remédios pra tomar, etc. As "consultas" com a Hebamme eram mais conversas sobre o meu estado psicológico, as dúvidas sobre mudanças do corpo, como se cuidar e afins, além dela fazer o exame na barriga só na apalpamento, como era antigamente, sem grandes ajudas tecnológicas pra ver a posição do bebê. E assim foi todo o pré-natal. No parto, como também já havia mencionado (acho), foi tudo feito por uma Hebamme, não a nossa porque partos ela não faz. Ali na hora, a médica (que tinha cara de criança) ficou só observando, quem coordenou tudo dizendo o que fazer, quando empurrar e etc, etc, foi a tal da Hebamme do hospital que estava de plantão lá no dia (no caso noite). E depois de sair do hospital, avisamos a nossa Hebamme que o Leopold tinha nascido e ela começou a vir até aqui em casa pra fazer nosso acompanhamento (meu e do Leopold). Nos primeiros dias elas veio seguido e agora vem aproximadamente 1 vez por semana. Ela dá assistência na amamentação, faz o controle do peso do pequeno, controla o recuo do meu útero, dá dicas sobre cuidados meus e do Leopold, orientou o primeiro banho e assim por diante... É uma ajuda e tanto, eu sou super fã da nossa Hebamme!! Agora não tenho muita certeza até quando ela virá, pelo que me informei elas fazem acompanhamento nas primeiras 8 semanas, que aqui é chamado "Wochenbett", que acho que no Brasil é o chamado puerpério. Vai ser triste quando a Gisèlle não vier mais nos visitar... (carência mode on) E é isso,legal né?!

Quem quiser saber mais (em alemão): http://www.hebammensuche.de/hebhilfe.html

sexta-feira, 4 de outubro de 2013

5 semanas

Esse tempo passa é voando mesmo! E faltam-me maos disponíveis pra escrever aqui sempre que tenho vontade. Vou atualizar vocês em tópicos que fica mais fácil.

- Nós estamos nos adaptando bem uns aos outros. Claro que tem os dias de querer jogar tudo pro alto, largar o bebê na porta da igreja e continuar dormindo sem choro de criança com cólica no berço ao lado.

- Minha mãe esteve por aqui entre a segunda e a quarta semana do pequeno. Foi meio cansativo ter mais alguém em casa, a gente ainda sem ter se acostumado ao ritmo do pequeno e vice-versa, mas foi uma mão na roda não ter que pensar em almoço e passar a pilha de roupas que se juntou nas primeiras semanas.

- Leopold já fez sua primeira viagem de trem. Fomos visitar Bremen, com mais calma do que em dezembro com a parentada que mora por lá.


- Minha madrinha, tia do meu pai, que mora em Kassel veio num domingo com mais uma prima pra conhecerem o bebê. E os outros parentes afastados da família do meu pai mandaram cartões e presentinhos pro pequeno. Adoro a atencao que os alemães dão pra famílias de recém nascidos!

- Aos poucos vou conseguindo fazer o serviço de casa. O corpo já colabora de novo e entre uma dormida e outra do Leopold consigo ir ajeitando o que eu acho que seja necessário.

- Tenho que dar gracas à Deus por ter um marido que trabalha em casa. Assim o Lukas e eu dividimos as atividades e não fica pesado pra ninguém (ou pros dois). 

E agora preciso ir porque o dever me chama! Até a próxima folguinha...

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Uma semana

Antes de mais nada obrigada pelos parabéns recebidos no post anterior, que bom que a notícia do crescimento da nossa família também pode ser comemorado por tanta gente.

A história de hoje começa ainda no final de semana retrasado quando eu ainda tinha uma barrigão e querendo aproveitar os últimos dias sem grandes responsabilidades fomos passear por aí. Bom que o tempo andou (e continua) ajudando por aqui. Sábado 24 foi dia de apreciar uma festa de bairro em Bergedorf. Demos umas voltas por lá, conferimos uns shows de danças típicas e passamos uma tarde gostosa. 

Já domingo foi dia de fazer piquenique na Fischbeker Heide. Apesar de ter gente sentada onde queríamos estar, procuramos outro cantinho, andei e me exercitei (o que na gravidez é sempre recomendado), e aproveitamos a bela vista da Heide toda florida. Lindo de ver!!


Dia 28 foi nosso aniversário de casamento, saímos à noite pra comer uma coisinha e comemorar a data, e apesar da nossa torcida o pequeno ser ainda dentro da barriga não deu o ar da graça nesse dia, o que teria sido muito legal, mas agora ele tem uma data só dele!

Na terça tínhamos ido na médica que nos desanimou um tanto dizendo que o bebê ainda não estava pronto, e nos deu um prazo de mais umas 2 semanas. O que estava tudo bem, sendo que a data prevista, onde eu completaria as 40 semanas era o dia 04 de setembro. O meu maior medo na realidade era que ele viesse no aniversário da sogra ou ainda depois que minha mãe já tivesse chegado. Nenhuma das duas coisas ia ser muito agradável pra mim... Mas aí dia 29 acordei com cólicas, fiquei meio de olho pra ver se eram contrações , se vinham regularmente, mas não eram e nem doíam tanto. Ao longo do dia foram ficando mais nítidas e no começo da noite começaram a vir com certa regularidade. Hora de juntar o que ainda faltava pra uma provável ida ao hospital. Lá pelas 10h juntamos as tralhas e devagarinho fomos caminhando até a clínica. Chegamos lá perto das 11h, fizemos a admissão, o CTG (que controla contrações e batimentos cardíacos do bebê) e eu estava com 2cm de dilatação, só pensei que a noite seria longa... Fomos pro quarto, ficamos esperando a médica que deveria fazer um ultrasom, mas ela teve uma emergência então demorou pra vir. E as contrações se acentuando, só sei que às 2h09 do dia 30-08 um pequeno menino saiu de dentro de mim! Graças  a Deus correu tudo bem e eu puxei minha mãe e tive um parto super rápido. Posso dizer com toda certeza que foi a pior dor da minha vida, mas ainda bem que tinha o Lukas ao meu lado e uma Hebamme(parteira) super competente que me possibilitou trazer meu filho ao mundo de forma natural apesar de ele estar meio virado! Passamos os 2 dias seguintes no hospital. O Lukas pôde passar a primeira noite comigo, mas na segunda eles precisavam do quarto (e no fim nem apareceu ninguém), e depois dessa eu pedi pra vir pra casa, nada melhor que a casa da gente quando não estamos muito bem. Como o pequeno nasceu de madrugada já puderam fazer o segundo exame no domingo e eu fui liberada pra vir pra casa, e que maravilha poder "dormir" na própria cama!!


E desde então nossa rotina tem sido amamentar, dormir e se adaptar uns aos outros. Recebemos diariamente a visita da nossa Hebamme, que ajuda e orienta com questões referentes à minha recuperação e o desenvolvimento do bebê (pesar, amamentação, cuidados com a pele, etc...). E hoje nosso pequeno Leopold completa sua primeira semana de vida!!! Já com 3kg, tendo recuperado o peso do nascimento e já acrescentado 250 gramas!!

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Lilypie First Birthday tickersCom dois dias de "atraso" chegou nosso presente de 3 anos de casados: é um menino de 52 cm de simpatia!!

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Fraldas de pano

Nem sei dizer direito como cheguei à decisão sobre usar fraldas de pano no meu bebê. Não sei se posso dizer que foi pela questão ecológica, que muita gente coloca como principal argumento. Talvez tenha sido mais pela questão estética mesmo e pelo fato de odiar com todas as forças coisas muito artificiais, nesse caso, o plástico em contato com a pele. Pensar em alguém usando um troço de plástico o tempo todo (especialmente no calor do Brasil) me faz ter três tipos de arrepios de uma vez só. Mas ao mesmo tempo não voltaria a usar absorventes à moda antiga... lavar e tal... não me apetece... mas com as fraldas a história é diferente e não sei dizer bem porquê. Existem muitos argumentos a favor. O Lukas gostou especialmente do fator econômico, lemos muito a respeito e em todos as fontes pesquisadas fazem-se cálculos e mais cálculos sobre a quantidade de dinheiro gasta em fraldas descartáveis.  Mas também não sei se posso dizer que foi meu principal motivo... 
não são bonitinhas?!

Eu ainda não sei como vai ser... E para aquelas que estão preocupadas com a trabalheira, não se estressem, não estou falando aqui daquelas fraldas que nós usamos quando bebês (pelo menos eu usei), aquelas do "tempo da vovó". Hoje em dia elas são basicamente uma imitação da forma das fraldas descartáveis, só que feitas de tecido (no Brasil chamadas de fraldas de pano modernas). Tem esse vídeo no youtube que dá uma idéia de como elas funcionam (não estou fazendo propaganda, nem conheço essa marca, é só pra mostar mesmo). As nossas são basicamente nesse estrilo. Aqui as Omas contribuíram com um bom estoque inicial, tem de diversas marcas e demos preferência às de tamanho único, que podem ser usadas desde o nascimento até o desfralde. Na Alemanha o pessoal também ainda usa as fraldas à moda antiga e muita gente usa fraldas de pano, mas ainda assim em lojas físicas eu nunca vi, é tudo na internet mesmo. Eu estou animada, espero me adaptar logo e pegar o jeito com a coisa, mas isso eu vou ter que fazer com tudo que se relacione ao bebê, então esse argumento contra as fraldas de pano, de que dão mais trabalho e tal,  eu não levo muito em consideracao, já que lavar, vou ter que lavar roupas a mais mesmo, então qual a diferença de enfiar mais algumas fraldas sujas no meio do monte?! Veremos... Volto aqui depois e dou meu veredito!

Dois links (em português) que podem ajudar a tirar dúvidas de quem as tiver:



E em alemão: Stoffwindel

terça-feira, 20 de agosto de 2013

E vem chegando uma nova estação

Há umas duas semanas venho sentindo no ar que as estacoes estão mudando. Desde que os dias de calor infernal se foram percebe-se no ar e na luz que logo, logo o outono está aí. Me chamem de louca, mas eu AMO o outono. Enquanto está todo mundo aproveitando os últimos diaszinhos de verão ao máximo eu estou ansiando pelo outono, aquela luz, aquele clima, aquelas cores... Nas lojas já começaram a vender decorações outonais... as cores vão ficando mais amarronzadas, as folhas e cogumelos e porcos-espinho vão aparecendo nas vitrines. Ainda falta um  mês pro começo oficial, mas já dá pra perceber que ele está chegando... Nessa época me dá vontade de deixar a casa arrumadinha, curtir o fim do dia (que já não é mais às 11h da noite, mas sim num horário mais razoável, lá pelas 8 e meia), dá pra acender umas velas, dá vontade de assar bolachinhas, ou fazer um bolinho gostoso pra tomar com chá no fim da tarde... Eu fico cheia de inspirção essa época do ano... pelo menos aqui na Alemanha, no Brasil agosto sempre foi o mês mais odiado por mim (por ser normalmente o mais seco e infestado de queimadas - desvantagens de se morar "no mato"- atacando loucamente minha rinite). Aqui, não sei se porque cheguei na Alemanha nessa época, entre final de agosto/começo de setembro, por ter sido nessa época a nossa lua de mel no vale do Reno, não sei dizer, só sei que me alegra pensar que a temporada das macas e dos cogumelos está chegando...

as cores do outono (nov.2012)

sexta-feira, 16 de agosto de 2013

O último mês

Os dias passam, muitas idéias pipocam, mas falta o pique de sentar em frente ao computador e escrever. Esse último mês foi de muitos dias de calor infernal, com direito a muito sorvete, gelatina e tereré pra tentar espantar o suador dentro de casa (eu me recusei a sair naqueles dias, sem condições gente). Já a última semana foi mais tranquilinha e só hoje voltamos aos 27°, mas dentro de casa ainda está aceitável, é só deixar tudo fechado que o fresquinho se mantém por um tempo.
aplicação e crochê
algumas roupas secando
Andei arrumando as coisas pro Hampelmann (é assim que estamos chamando o bebê enquanto ele/ela não nasce. Pra quem não sabe Hampelmann é um brinquedo desse tipo aqui, o apelido surgiu depois do segundo ultrasom em que vi pela primeira vez aquele serzinho com forma de gente se mexendo loucamente dentro de mim). Já arrumei quase tudo. Troquei muitas coisas de lugar dentro dos armários, limpei e reorganizei gavetas, lavei roupinhas e fraldas e tudo que tinha direito, costurei mais um monte de coisas e assim se passaram os dias. Hoje finalmente arrumei a mala da maternidade e está tudo bem encaminhado. Sem roupa e lugar pra dormir a criaturinha não fica então tá bom né?!
mais aplicações e crochê

um peixinho que eu fiz
E as novidades sao basicamente essas. Nao tenho saido muito de casa por causa do peso da barriga, nao aguento andar por muito tempo e nem consigo ficar muito tempo longe de um banheiro, quem já teve um ser espremendo a bexiga sabe como é... O Lukas também está trabalhando loucamente no doutorado entao só nos fins de semana a gente sai com mais folga pra bater um pouco de perna e distrair um pouco. A única excecao foi na quarta agora que fomos passear no DOM (no dia mais barato, é claro) e comer alguma cosinha diferente.
Presentes que uma querida amiga do Brasil mandou e que tive que
ir buscar na alfandega num dos dias mais quentes em Hamburg hehhehe
Começando a organizar o cantinho das trocas
me deliciando com uma Käse-Krakauer no DOM

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

o que vocês esperam de mim

Fiquei pensando muito se deveria ou nao escrever este e-mail. Queria saber com todas as palavras agora, o que afinal vocês esperam de mim! E sejam sinceros, porque dai eu também vou poder ser!!

De onde surgiu essa fama de que sou uma pessoa inacessível? Só porque tenho repulsa ao skype?? Até onde sei existem outros meios. Só porque sou uma pessoa que gosta de preservar a minha privacidade e nao aceita palpites externos na minha vida? Nao consigo entender porquê essa extrema necessidade de saber tudo que faço ou que penso. Nem minha mãe, que teria "direito" a me fazer interrogatório, eu deixo saber detalhes sobre a minha vida, pois é isso que ela é, minha, e eu tenho direito de poder escolher com quem e como a compartilharei. E nao me venham com essa de que o Lukas e eu somos um, nós continuamos a ser duas pessoas, que se completam, mas ainda assim indivíduos, com seus gostos e opinioes pessoais.
Eu tenho todo direito de escolher as pessoas com as quais eu me sinto a vontade pra dividir minha vida. Se vcs nao fossem familia do meu marido nao teríamos nada em comum, entao porque cobrar que só porque existem um laço legal entre nós eu haveria de ter que tratá-los diferente?? Eu os respeito, nunca os desrespeitei, e espero que o facam comigo também. Eu nao aceito que só porque casei com um homem precise automaticamente abosrver o jeito de ser da família dele e deixar a minha de lado. Até onde sei, nós dois, vamos trazer coisas das nossas familias  e vamos tirar as coisas ruins e manter a boas e formar a nossa propria familia. Porque é tao difícil pra vcs aceitar que eu tenho uma bagagem diferente e que sim, vai ser trazida pra dentro da familia que estou formando com o Lukas! Eu me sinto muitas vezes como que se tivesse entrado numa família muculmana, onde a mulher precisa se anular, e deixar tudo que lhe remete à sua familia de origem, pra do dia do casamento em diante ser como a familia do marido, agradar à eles e esquecer que um dia teve uma vida diferente.
Tudo comecou nos prepartivos do casamento, muitas vezes nem me sentia a noiva, a pessoa mais importante da festa, porque né, sou do interior, cresci "no mato", nem eu nem minha família sabemos dessas coisas de etiqueta, como se faz um festa desse nível! Fui tolhida em muitas das escolhas que eu deveria ter feito. Me deixei influenciar pela "experiência" anterior da cunhada, afinal ela já passou por isso, sabe como se faz um casamento pra agradar os convidados. Ahh e os convidados, tem que convidar todos os amigos dos sogros, porque senao pega mal né?! Seus pais mesmo nao tem muitos amigos, e eles moram longe, nem vao se dar ao trabalho de vir até Curitiba né?! E os amigos de vocês, convidem só os mais chegados, senao nao cabem os nossos, porque os filhos deles nos convidaram entao fica feio se a gente nao convidar... Nem o convite que os noivos sentaram juntos pra escrever foram aprovados pela família "perfeita". Isso nao é coisa que se manda prás pessoas, o que elas vao pensar nao é verdade?! Nem nas fotos sozinha com meus pais pude decidir a pose: "faz assim, porque no casamento da Sabine a gente fez uma foto assim e ficou muito bonita", meu, a familia ali era de quem afinal???
E porque essa neura da gente gostar de morar aqui? Porque esse medo de que a gente goste mais daqui do que do Brasil? Vocês levam muito pro lado pessoal, acham que é por causa de vocês que a gente nao quer mais voltar, nunca pode ser porque a gente se realiza aqui, se sente mais adequado à realidade, mas nao, é tudo sempre por causa de vocês, afinal vocês sao o centro do mundo, como pode a gente querer viver uma vida diferente da de vocês?!!
E essa mania de querer se conectar?! Sempre fui nos almocos, tive que aturar piadas sobre Rondon, piadas sobre meu marido, o que mais vcs querem? Eu nao vou agir como filha de vcs, pq nao sou!! Nao achem que vou sair por aí dizendo que amo vcs porque nao amo, nem os conheco!! Eu cumpro sem problemas meu papel nas reunioes familiares, mas nao me pecam pra ser alguem que nao sou, eu nao vou achar tudo que os sobrinhos fazem lindo e maravilhoso, eu odeio crianca no meu pé, eu nao vou lavar louca na casa da sogra e tb nao quero q ela lave na minha... porque vcs querem que eu haja como se a gente se conhecesse desde sempre...????? vcs esperam de mim q eu seja como uma filha, mas eu sou nora, e nao me sinto pertencente à vcs, e nem acho que precise!! Acho que podemos muito bem conviver pacificamente sem essa grudacao toda que vcs exigem de mim. Eu odeio gente grude, odeio gente que dz te amo toda hora, gente que quer abraco toda hora, que se lambe mesmo se odiando! Eu nao sei o q vcs esperam de mim, o q mais vcs querem???? Preciso agir diferente da minha personalidade só pra agradar vcs???

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

Baby Stuff V - Baby-quilt

Mais um quilt feito por mim, desta vez pro bebê. Já não lembro quanto tempo levei pra fazê-lo, acho que devo ter começado lá em abril e se não me engano terminei no começo de julho, claro, com muitas interrupções, porque não é um trabalho muito fácil e às vezes vai dando nos nervos. Mas o resultado final é de dar orgulho!

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Baby Stuff IV

Acho que o mais legal de ter filho vai ser poder vestir nele/nela roupinhas que eu e meus irmão usamos quando bebês, especialmente os casaquinhos feitos pela minha Oma Uschi!! Não são uma graça??




quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Visita do Thomas e da Jéssica

Semana retrasada tivemos o prazer de receber o Thomas e a Jéssica (meu irmão e minha cunhada pra quem não conhece) aqui em casa pra curtirem uns diaszinhos no calor de Hamburg. Foram dias curtíssimos, mas muito bem aproveitados. Até aproveitamos a carona pra ir até o Ikea comprar móveis pro bebê, Onkel e Tante serve pra essas coisas né?! Nos outros dois dias andamos pela cidade (a Jéssica ainda não conhecia), os não-grávidos bebericaram umas cervejinhas, comemos muito bem e colocamos as fofocas em dia. Quer coisa melhor do que a visita do irmão pra deixar a cabeça desanuviar das preocupacoes de gravidez, parto e criacao de filho??






terça-feira, 30 de julho de 2013

da gravidez

Antes mesmo de engravidar sabia da enchurrada de palpites e opiniões alheias que viriam quando isso acontecesse. E sempre foi um medo, porque desde sempre odeio palpites e opiniões dadas sem que sejam pedidas. Um dos motivos pelos quais nos levaram a anuncia a gravidez depois dos 3 meses foi justamente poder curtir um pouco a nossa privacidade, a felicidade da notícia sem já de cara ter que lidar com "dicas" e "recomendações" alheias. Infelizmente esses 3 meses passaram muito rápido, e desde então a lista de coisas absurdas e que me tiram do sério só foi crescendo. E agora quase no final dessa etapa percebo que não cheguei a curtir quase nada da minha gravidez, da minha barriga e dessa nova fase. E é meio triste que um momento assim tao pessoal e importante na minha vida tenha passado assim, meio batido, com muito medo e com muita raiva da falta de consideração e respeito pela minha privacidade e minha vontade. Isso que estamos na Alemanha, longe de tudo e de todos (ou talvez por isso). Por aqui, eu não querendo ser incomodada, é só desligar o computador, em compensação estando no Brasil eu poderia dizer na cara das pessoas: "isso não é da sua conta", "o filho é meu a escolha é minha". Se você "diz" isso virtualmente você é taxada de intolerante...

Só pra terem idéia das coisas que já fui obrigada a ouvir:

- quando vocês vão contar pras outras pessoas?
- eu precisei contar pro fulano porque senão pega mal.
- já sabem o sexo?
- não vão dar nomes muito estranhos né?
- por favor não dêem nomes como Kunigunde.
- vamos lá comprar o berço (aos 3 meses e meio)
- vocês não vão demorar pra contar quando o bebê nascer né?
- tenho medo dos nomes que vocês vai escolher, o Lukas tem umas idéias muito estranhas.
- eu quero ser avisada assim que nascer a criança.
- coitados, tao longe da família.
- já tá com cara de mãe. ( e mãe lá tem cara diferente?)
- berço no quarto de vocês, mas e a privacidade?
- mas como assim não querem saber o sexo?
- mas é menino ou menina?
- ahh, mas daí não dá pra comprar roupinha apropriada.
- não pode deixar o Lukas decidir as coisas.
- já compraram o berço? (aos 4 meses).
- mas tem que ter carrinho e bebê conforto.
- mas é muita folga sua querer o berço do lado da cama de vocês.
- não vão escolher nomes muito esdrúxulos né?
- ahh mas esse berço é mais seguro que o outro.
- você tem se alimentado bem?
- já fez cocô hoje?
-  e o berço? quando vão comprar? (aos 5 meses)
-  a mãe da Babi vem né?
- manda foto.
- que grávida linda. (como se eu fosse uma pessoa feia!)
- fulana não teve ajuda da mãe quando teve filho, coitada.
- mas não vão dizer mesmo pra que dia que é?
- quando que a mãe da Babi vai?
- quando vocês voltarem pro Brasil vai ser mais fácil né? aí não tem ninguém pra ajudar. (ahh se intrometer vc quer dizer...)
- que dia que nasce?
- tá tudo bem com o bebê?
- mas é menino ou menina?
- mas vocês não querem saber o sexo?
- ou sabem e só não querem contar?
- vocês precisam de dinheiro?
- ahh é muito chato não saber se vai ser menino ou menina.
- vão a pé pro hospital? Coitada da Babi.
- mas precisa de um bebê conforto pra voltar do hospital.
- voltar a pé do hospital? Mas a Babi vai estar muito cansada.
- manda foto.
- tem que dar mais atenção pra Babi agora, coitada.
- e a barriguinha?
- já viram o bebê de novo?
- não pode se estressar pra não estressar a Babi pra não estressar o bebê.  (mal sabem quem realmente me estressa)
- como tá a barriguda? (barriguda é a vó!)
- precisam de dinheiro?
- quando mesmo vocês vão comprar o berço? (aos 6 meses)
- ahh mas criança pequena precisa de mais roupinhas.
- berço do lado da cama? Ah que preguiça de levantar.
- tem certeza? Eles se sujam muito nessa fase.
- mas você é brasileira, tem que dar banho todo dia.
- coitada dessa criança, vai nascer sem nome.
-quando vão ver o bebê de novo?? ahh mas no Brasil...
- e o berço? quando mesmo? (aos 6 meses e meio)
- coitados de vocês, tao longe da família.
- coitada dessa criança, terem pais tao rígidos como vocês.
- quando a fulana teve filho...
- você só diz isso agora.
- tem certeza que não querem saber o sexo?
- se precisar de dinheiro pode pedir.
- mas tá tudo bem mesmo?
- tenho medo que essa criança fique muito dependente de vocês. (?????????????????????)
- manda foto
- coitada dessa criança, vai ser criada longe da família.
- o Thomas vem quando mesmo pra comprar o berço?
- e mãe da Babi quando chega?
- tá chegando né?? tá muito nervosa?
- mas não vai ter protetor no berço?
- coitado do bebê, vai nascer sem nome.
- coitados de vocês aí sozinhos.

Não me levem a mal, tem comentários ali em cima que são super normais e que não são nada intromissivos, mas quando a gente ouve eles 1000 vezes vindos da mesma pessoa, torra o saco né?!

E sabem, eu tenho é muita vontade de dividir esse momento com minhas amigas, de poder bater papo, trocar idéias, falar de outras coisas que não sejam gravidez e filhos... É chato nesse sentido estar aqui longe. Só falando com nossas mães, que nos tratam como se ainda tivéssemos 5 anos de idade e não tivéssemos responsabilidade nem capacidade suficiente de criar um criança. Sei que elas não fazem por mal, mas às vezes a gente não quer dicas e experiências pelas quais elas ou sei lé eu quem passaram, a gente só quer decidir por nós mesmos como, quando e o que vai ser compartilhado. Ter os nosso momentos de família só nós, sem ter sempre a cobrança de nossos pais terem que saber tudo que fazemos, pensamos, comemos, sentimos... E essa neura de querer participar a todo custo, o tempo todo sufoca, é cobrança atrás de cobrança, nada que a gente faça ou decida está bom o suficiente, afinal eles tem mais experiência, e o fulano tem uma estoria parecida que não terminou muito bem.

E parece que todo mundo sabe como eu devo me sentir, afinal toda grávida/mãe fresca sente as mesmas coisa né? Todo mundo já sabe que vou sofrer nos primeiros dias e que sou uma coitada por não estar perto da minha mãe. Todo mundo já sabe que vai ser assim ou assado depois que a criança nascer, todo mundo já decidiu como eu devo me sentir, como eu vou me comportar, como o bebê vai ser.  Já está tudo decidido por mim e pelo bebê, pra quê então eu deveria me preocupar né? E ainda tem o fato de que tudo cai sobre mim, alguém aí acha que alguma vez alguém se lembrou de perguntar pro futuro pai como ele está se sentindo? Como ele está se preparando pro papel de pai?? Conversamos sobre isso mês passado e a resposta dele foi negativa. O povo só quer saber de mim e da minha barriga (que é MINHA, ninguém tem nada a ver com a minha barriga, deixa ela em paz!!!!Da minha barriga cuido eu!!), nem mesmo a família dele está dando atenção ao futuro pai, todo mundo tá dando só pitaco na minha barriga!! Que saco isso viu... Como se os homens não tivessem participação nenhuma no acontecimento, como se eles não tivessem também as dúvidas e questionamentos deles, como se eles também não tivessem que lidar com a pressão de serem bons exemplos, tudo cai sempre em cima da "vaca parideira", afinal, quem mandou nascer mulher né?! A sua família vai te cobrar, a família do seu marido vai te cobrar e eles ficam lá bonitões, sofrendo calados, porque ninguém se importa com a opinião deles. Fico p... com esse tipo de coisa.

Ahhh desculpa aí o mega post-desabafo, mas é que eu tô realmente de saco cheio, e os assuntos malas foram se acumulando... Em breve faco mais posts bonitinhos e cuti-cuti que é pra ninguém desistir de ler meu blog... hehhehe



quinta-feira, 25 de julho de 2013

Verão na Europa??

Não deixe de visitar um Jardim Botânico!!

Essa é a dica que eu daria a todos que visitam o continente pelos meses de junho a agosto! Nos outros anos eu confesso que não cheguei a perceber o tamanho da beleza que estes lugares escondem, muito provavelmente culpa dos inúmeros dias de chuva que peguei nos verões anteriores, mas este ano já fiz belas descobertas aqui mesmo em Hamburg!!


No começo de mês passamos uma tarde no Jardim Botânico (Botanischer Garten Hamburg) e fiquei maravilhada com a quantidade de flores e cores do lugar. Já tinha ido outras vezes, mas em nenhuma delas havia tanta flor desabrochada, uma mais linda que a outra. Eu infelizmente não estou mais conseguindo tirar muitas fotos de flores, porque a barriga me atrapalha no baixar e levantar e achar a melhor posição pra uma boa foto, mas o Lukas fez lindíssimas fotos nesse dia!! Aos fotógrafos de plantão recomendo!!


E semana passada passeamos com meu imaozinho e a cunhada no Planten un Blomen, e mais uma vez muitas e muitas flores colorindo nosso passeio. (Mais sobre a visita do Thomas deixo pra outro post).

no Planten un Blomen