Pular para o conteúdo principal

Lua de Mel - Burg Reichenstein e Bingen (05 e 06 de setembro(

No nosso último dia na região do vale do Reno, obviamente não ficamos enfurnados no hotel, mais uma vez subimos o rio, primeiro prá ver um dos castelos que ontem já estavam fechados. Ele se chama Reichenstein -http://www.burg-reichenstein.de/ -  e também pudemos visitar seu interior, mas desta vez sem um guia. É bem grande e tem muitas cabeças de animais empalhadas, sabe aquelas que tem os chifres dos animais (o Opa Isenberg tinha algumas dessas, pros que lembram/conheceram), e quando eu digo muitas, são realmente muuuuuuitas, sério, era até meio assustador... em todas as paredes, de todos os andares. E tem gente que faz casamento num lugar desses, não que não seja legal casar num castelo, mas aquilo é meio macabro, todos aqueles bichos mortos... E por falar em casamento, deve ter tido 1 lá na noite anterior porque ainda havia restos de decoração por tudo, e uma decoração brega prá caramba, combinação  de cores nada a ver... mas enfim, o castelo é super bonito e as coisas dentro bem interessantes... tem até uma capela em anexo, muito chique!!!
Burg Reichenstein 
Burg Reichenstein
Burg Reichenstein - os bichinhos mortos que comentei
Burg Reichenstein
Burg Reichenstein
Burg Reichenstein
Burg Reichenstein
Depois de lá fomos passear em Bingen - http://de.wikipedia.org/wiki/Bingen_am_Rhein - uma cidade um pouco maior. Como de costume paramos o carro mais fora da cidade, só que desta vez o centro estava um pouco mais longe e não havia lá muita sinalização; Também demoramos um tempão procurando um PIT, depois de muito tempo caminhando e procurando encontramos um, mas relativamente longe do centro, onde eu particularmente acho que estes deveriam estar, ou no centro ou perto de algum atrativo mais importante ou então da estação de trem ou de outro local de chegada, mas enfim... E quando finalmente chegamos lá já estava fechado, isso às 13h30, e depois reclamam do Brasil... tá certo que era domingo, mas a cidade estava lotada por causa de um evento que estava tendo, as ruas hiper lotadas de gente e de barracas de comida e bebida (principalmente vinho). Nos viramos com um mapa meia-boca que encontramos num material de distribuição gratuita sobre os hotéis da cidade (pelo menos isso), e passeamos um pouquinho pela margem do rio, aproveitamos os belos jardins ainda floridos no final do verão. Seguimos então prá visitar o castelo que fica no meio da cidade (Burg Klopp - http://de.wikipedia.org/wiki/Burg_Klopp). Eu já estava morta, depois da subida então... decidimos ir voltando, ainda passeamos mais um tanto num parque também na beira do rio (Park am Mäuseturm), estava cheio de gente esticada na grama tomando sol, naquele calor, o Lukas e eu buscamos uma meia sombra, não sei como o povo aqui gosta tanto  de torrar no sol, depois tem câncer de pele e não sabe porquê!! Enfim voltamos, mas não antes de uma Bratwurst num quiosque qualquer. Chegamos ao hotel acabados, arrumamos as mochilas, tomamos banho e fomos dormir.
Bingen
Bingen
Bingen - Burg Klopp
Bingen - Burg Klopp
Bingen - Mäuseturm
Bingen - Mäuseturm
Na manhã seguinte acordamos cedo (7h), tomamos nosso último ( e maravilhoso) café da manhã no hotel e pegamos a estrada de volta prá casa. A viagem foi tranqüila, sem grandes engarrafamentos, pelo menos não do nosso lado, o pessoal do sentido contrário não teve tanta sorte, vimos cada engarrafamento gigantesco, sério, duvido que aquele povo tenha conseguido chegar ao destino ainda no mesmo dia. E aqui é assim, na Autobahn não tem como dar a volta, no Brasil ainda existe retorno, aqui não...
Chegamos em casa perto das 15h, descarregamos as coisas, descansamos um pouco, fomos devolver o carro e passeamos um pouco pela cidade prá eu ir me ambientando. É bastante coisa prá ver e entender, em especial com relação ao transporte, fiquei meio perdida nas direções e estações, mas tb é só o primeiro dia...  Fomos ao mercado abastecer-nos de comida já que em casa não tinha nada. Desempacotamos os presentes que chegaram durante o mês que o Lukas não esteve por aqui, o que foi bem gostoso e divertido, e divertido também é pensar onde colocar todas as coisas já que ainda não tem muito lugar, mas ajeitando cabe tudo bonitinho. Até já inauguramos a sanduicheira.
abrindo presentes

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…