Pular para o conteúdo principal

A vinda definitiva pra Alemanha (escrito 31 agosto 2010)

A aventura começa no aeroporto de São José dos Pinhais, com as pessoas que se dispuseram a ir até lá prá se despedir da gente. Depois do check-in, a espera regada a “champanhe” e trufas. Eita povo divertido!! Só uns goles e obviamente começam a aparecer os podres da galera. Mas enfim chega a hora de embarcar e começar de vez a vida nova, só nós dois. Um pouco de dor de barriga no começo, mas o vôo até São Paulo foi tranqüilo e chegando lá tudo correu bem apesar da fila gigantesca na alfândega, ainda assim esperamos quase 3h até o embarque. Sentados no aeroporto percebemos algumas coisas bobas que acontecem, tipo o avião esperar até mais de meia hora pelas pessoas atrasadas, é por isso que esse país não vai prá frente, larga o povo atrasado que eles aprendem a chegar na hora... Quando enfim entramos no avião estávamos exaustos depois de (no mínimo) 1 semana de noites mal dormidas. Não posso dizer que dormi super bem, mas foi bem melhor que minha última viagem intercontinental. Apesar de uma leve diarréia durante o vôo, tudo se seguiu normalmente, sem grandes turbulências (que é o que mais me assusta)... Mas quando enfim chegamos: ATRASADOS!!! 1 hora!!! E como é que faz prá passar mais rápido pela alfândega?! Não faz NE, apesar de eu ter passado junto com o Lukas na cabine dos alemães, eles ainda fizeram muitas perguntas... dá no mesmo que esperar na fila!! E depois disso ainda atravessar o aeroporto prá chegar até o portão de embarque prá Hamburg, sério, suei prá caramba e achei que ia perder minhas pernas pelo caminho...Quando chegamos ao guichê, obviamente depois de passar mais uma vez pelo raio-x, e o Lukas ter que tirar inclusive os sapatos (sim, todas as vezes a mesma função!), o nosso vôo já tinha partido, mas conseguimos lugar no próximo dali 30 minutos. Voamos com a Lufthansa até Hamburg, em poltronas separadas já que era um arranjo diferente e justamente neste vôo resolve dar bastante turbulência, só porque não tinha ninguém que eu pudesse agarrar a mão ao meu lado, segura na poltrona então né!!! Pelo menos foram só 50 minutos. E prá quem reclama que a GOL só dá uma barrinha de cereal nos vôos curtos, fique feliz porque neste a gente só teve bebida!! Eu só tomei água! Depois do café da manhã no avião e da correria pelo aeroporto de Frankfurt, a fome já estava batendo. Mas enfim chegamos vivos em Hamburg e nossas malas também chegaram inteiras (o maior medo era delas se perderem já que não viemos no vôo planejado). Na saída nosso vizinho Lucas estava nos esperando com a esposa e a cunhada pra nos ajudar com as malas, nossa sorte, queria só ver nós dois carregando tudo aquilo sozinhos de trem!!!! E então foi isso, conheci minha casa nova (que imaginava bem menor, mas que é super legal – mando fotos assim que tirar), desarrumamos as malas e já fizemos outras prá viagem de lua de mel e depois um merecido banho de banheira prá relaxar um pouco e cama!!!
Na manhã seguinte o Lukas saiu cedo prá ir buscar o carro que ele tinha reservado numa locadora prá nossa viagem, eu fiquei dormindo mais um pouco. Lá pelas 10h saímos, dia bonito, fresco no começo mas foi esquentando durante o trajeto. Depois de alguns quilômetros: engarrafamento! Ficamos parados um tempo, e depois andando a passos lentos, tiazinha do GPS endoidou um pouco quando saímos um pouco do trajeto inicial prá fazer o desvio necessário, 2 horas perdidas nessa brincadeira, perdemos mais uns 30 minutos na parada pro almoço e depois mais um engarrafamento, mais uns 30 minutos... Mas acabamos chegando em Oberwesel (uma cidadezinha super simpática no vale do rio Reno) -http://oberwesel.de/portal/index.php ou http://de.wikipedia.org/wiki/Oberwesel. Estou agora no hotel (também super charmoso) - http://www.hotel-roemerkrug.rhinecastles.com, e daqui faremos todos nossos passeios que vou descrevendo ao longo dos dias.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…