Pular para o conteúdo principal

Lüneburg

Aqui se chega em qualquer lugar de trem
A cidade de mais de 1.050 anos de idade, entre Hamburg e Hannover é uma das cidades mais fascinantes do norte da Alemanha. Sua arquitetura histórica no estilo Backsteingotik (construções de tijolo em estilo gótico) é um contraste com a animada vida da cidade, especialmente devida aos jovens, uma vez que a cidade tem uma universidade. Durante a Segunda Guerra Mundial Lüneburg permaneceu intacta, preservando seu centro medieval.

mapa
Em todo o centro o visitante entra em contato com a história da cidade que tem como principal personagem o sal. Por mais de 1000 anos a cidade explorou o sal na região, então denominado "ouro branco", período no qual Lüneburg viveu seus anos de riqueza e prestígio. A cidade cresceu a partir de três células germinativas: Mons, a montanha de pedra calcária e do castelo ducal; Pons, a ponte sobre o rio Ilmenau; e Fons, a fonte de sal, o marco mais significativo para Lüneburg.
vista da cidade - reparem na torre da igreja!!
O impacto da extração de água salgada de debaixo da cidade antiga são marcantes: toda a cidade ocidental encontra-se na chamada “regiao de afundamento”. No caminho para a Salina pode-se encontrar casas inchadas, muros e portões inclinados. Algumas casas e uma igreja local (a igreja Lambertini) perderam sua estabilidade e tiveram que ser demolidas. A redução de sal e a diminuição da lucratividade foram as razões para o encerramento da exploracao da Salina em 1980. Atualmente são retiradas apenas pequenas quantidades de salmoura para o spa de sal Lüneburg (SaLü). A antiga construção agora abriga o Museu alemão do sal. Existem cerca de 240 pontos de medição, onde os afundamentos são monitorados desde 1946 em numa periodicidade de dois anos. Os afundamentos ainda não estão completamente parados, mas a área foi reconstruída e alguns prédios históricos que foram salvos foram recuperados.
casas com "barriga"
Existem três igrejas que são as maiores e mais importantes na cidade: St. Johannis, St. Nicolai e St. Michaelis, sendo esta última onde Johann Sebastian Bach participou do coro entre 1700 e 1702. A St. Johanis Kirche foi construída entre 1289 e 1470, particularmente notável é a torre ligeiramente inclinada, que tem uma altura de 108,7 metros, as torres de igreja mais altas  em Niedersachsen.
St. Johannis
a torre torta da St. Johannis
A St. Nicolai Kirche é a menor e mais jovem das três principais igrejas da cidade de Lüneburg. Foi construída entre 1407 e1440 no estilo das igrejas hanseáticas na região do Báltico. Desde 1530 é uma igreja evangélica.
St. Nicolai
A St. Michaelis é uma das principais igrejas em Lüneburg e data do século XIV. A igreja fazia parte de um mosteiro que havia ali, e foi usada para funerais de pessoas importantes. Houve problemas estruturais na construção desde o início, uma vez que a igreja está no limite de ruptura de um domo de sal, e assim os imensos pilares redondos caíram até 70 cm fora do prumo.
St. Michaelis
plaquinha
interior da St. Michaelis
Existem muitas outras coisas interessantes para visitar na cidade, nós mais uma vez fizemos passeios externos, no inverno muitas atrações estão fechadas e a gente prefere ver as construções e não ficar se enfiando dentro de lugares... apesar de que no inverno é uma boa, mas enfim... visitem os sites que coloquei abaixo e se inspirem... ainda pretendemos voltar lá outras vezes e descobrir mais coisas...
uma porta bonita
Am Sande
Alter Hafen
Rathaus
passeando com o Thiago e a Letícia
arrumando as luvas
casinhas
sanduichinho


Comentários

  1. Lukas
    Enviado em 15/03/2011 as 16:02
    a cidade é demais mesmo… se a gente tiver que sair daqui eh pra lá que vou querer morar hehehehe

    bjos gatinha!!

    ResponderExcluir
  2. Cidade fofa! Com arquitetura antiga, cheia de história. Delicía!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Conte-me o seu segredo...

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…