Pular para o conteúdo principal

Oslo - parte III - minhas observações

- Achei meio ruim a distancia do aeroporto até o centro da cidade; sei que em muitos lugares é assim mesmo e eu é que estou desacostumada porque o de Hamburg é perto do centro. Mas sei lá, achei que então pelo menos o preço estivesse incluso no sistema de transporte de toda a cidade, como é por aqui! Em Hamburg não se paga a mais pra ir até o aeroporto!! E dá pra ir de metrô até os terminais de embarque! Claro que a paisagem da ida do aeroporto Gaedermoen até o centro de Oslo valeu a pena, deu pra ver um pouco da área rural da Noruega, mas quase 40 minutos de viagem de trem e que não é nada barato, não fez muito sentido na minha cabeça pão-dura;

- Reparei que o cartão de transporte funciona diferente do daqui. Aqui vc pode ter um ticket mensal, por exemplo, mas pra isso é precisa fazer uma carteirinha com uma foto sua. Lá em Oslo não tem dessa, tanto que usamos sempre os cartoes da Carol e do Maicon. Eles pagam mensalmente mas o cartão não é individual, se vc estiver com ele e ele estiver válido tá tudo em ordem. Tanto que a gente se revesava, iam sempre 2 de bicicleta (para as quais eles também tinha cartões específicos) e os outros 2 iam de tram ou metro ou ônibus., já que parece que pra turista não vale a pena fazer um cartão de aluguel de bicicleta!

- Foi minha primeira visita a um país que não conhecia a língua. Com amigos foi fácil, mas era engraçado ver as pessoas tentando se comunicar com a gente numa língua e não entender bulhufas... nunca tinha tido essa sensacao... foi beeem estranho, e bem divertido!!

- Num dos dias em que havia previsão de chuva fomos na Nationalgalerie, que era de graça no domingo. Eu não tirei fotos, por estar chovendo e eu ter criado bolhas nos pés já no primeiro dia. Não sou fã de museus de pinturas e tal, mas foi divertido. Vimos as obras do norueguês famoso, o Munch, vocês já devem ter vista pinturas dele, a mais famosa é essa:
Conhecem??? Pois então. Em Oslo tem o museu do Munch também, mas neste não fomos, as pinturas dele que vimos aí na Nationalgalerie forma o suficiente pra mim!! Claro que tinha muitas outras por lá, uns interessantes e mais algumas de gente famosa, mas, como sou esquecida já não lembro mais de quem...

- No domingo depois do passeio no Museu, fomo na igreja onde eles estao trabalhando, e vimos o Maicons pregar!! Como faz falta ouvir a palavra de Deus da boca de pessoas conhecidas... deu uma saudade...

- Tivemos um dia em que ficamos sozinhos, por conta, já que os anfitrioes também precisam trabalhar. Infelizmente chovia, foi um dos piores dias na cidade, entao, vamos atrás de mais museus pra visitar. Infelzmente eu nao tinha me preparado como sempre me prepardo antes de viagens como normalmente faco, fui mais na confianca de receber das pessoas que moram lá as indicacoes de coisas interessantes pra ver. O que foi um pouco um erro eu acho, porque daí nesse dia ficamos perdidos. Acabamos indo nos museus do Jardim Botanico, O Museu de História Natural e o de História Mineral, ou sei lá o nome... Foi interessante, mas acho que teria visto as mesmas coisas em qualquer outro museu no mundo... deveria ter ido num que tivesse mais a ver com a Noruega, com o povo ou a cultura, ou mesmo sobre a historia da cidade... sei lá.. fiquei meio frustrada... Mas vi ossos de dinossauros e renas empalhadas...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…