Pular para o conteúdo principal

Visitando o Schönbrunn - minhas impressoes e recomendacoes

Como a previsão do tempo tinha nos informado, o terceiro dia em Wien foi de chuva! Chuva o dia todo, o tempo todo. Em dias assim, a melhor coisa a fazer, quando se está visitando algum lugar, é procurar museus que interessem e visitá-los! Como aqui pela Europa nem tem museu em cada esquina né?!, a gente sempre sai de casa com alguns em vista pro caso de a chuva ou o frio resolverem atrapalhar o passeio. Claro que tem alguns lugares que a gente vai especificamente pra ver um ou outro museu que são meio que obrigatórios, mas os nossos passeios costumam ser mais externos. Por isso deixamos os museus de Wien para serem visitados na terça-feira, o dia da chuva. Com excessao do Schatzkammer, que eu disse que visitamos no primeiro dia, mas foi porque esse a gente sabia que fecha nas terças-feiras, e também porque não ia ter dado pique pra ver tanto museu assim de uma vez só.

Nós começamos pelo Schönbrunn, e ainda bem que tínhamos já tirado as fotos naquele outro dia, porque a chuva tava chatinha e o vento pra variar gelado. 
O nome do palácio Schönbrunn deriva de uma frase atribuída ao imperador Matias, que afirmou ter "descoberto" um poço artesiano enquanto caçava pela região, e exclamou: „Welch' schöner Brunn“ (Que poço/fonte bonito/a). Ele foi construído como residência para a Imperatriz Eleonora Gonzaga entre 1638-1643, e foi seriamente danificado no segundo cerco turco à Wien no ano 1683. Leopold I. deu-o em 1687 ao seu sucessor, Joseph I. A partir de 1743 foi ampliado e remodelado sob ordens da imperatriz Maria Theresia, por Nikolaus von Pacassi e Johann Ferdinand Hetzendorf von Hohenberg, e o palácio e seus jardins tomaram suas formas atuais. O palácio barroco foi desde metade do século XVIII até o final da Segunda Guerra Mundial residência de verão da família imperial austríaca. O palácio era naquele tempo quase continuamente habitado por centenas de pessoas e se tornou um centro cultural e político do Império Habsburgo. O palácio Schönbrunn é o maior e um dos mais importantes monumentos culturais da Áustria. O palácio e os jardins cobrem uma área de aproximadamente 160 hectares e desde 1996 parte do Patrimônio Mundial da UNESCO. Atualmente, o palácio de Schönbrunn conta com 1441 quartos de vários tamanhos. Alguns dos que não pertencem ao museu são alugados como apartamentos no particulares pelo Schloss Schönbrunn Kultur-und Betriebsges.m.b.H. A maior parte do castelo é um museu que em 2010 recebeu cerca de 2,6 milhões de visitas.

Por mais que as informacoes encontradas digam que a maior parte dos quartos pertencem ao museu, apenas 40 deles podem ser visitados. Acredito que boa parte dos que não servem como salas de exposicao são usadas pelo museu para outras tantas atividades dentro de um museu que nós leigos desconhecemos. O museu expõem basicamente coisas pertencentes aos membros da família Imperial Austríaca, de diferentes épocas e pessoas. Claro que muito enfoque se dá à imperatriz Elisabeth, conhecida como Sissi, e seu marido Franz Joseph, eles são o xodó dos austríacos. Nós fizemos o passeio completo, que se chama "Grand Tour". Existe também o "Imperial Tour" que visita menos quartos, 22 para ser mais exata. Existem vários tipos de pacotes e descontos e preços diferentes pra cada um, então fica meio complicado eu colocar aqui tudo explicadinho pra vocês, quem quiser saber mais tem informacoes no site oficial do museu aqui. Vocês podem ter uma idéia do que nós vimos em cada um dos quartos clicando aqui, onde tem fotos e explicacoes básicas do que pode ser visto no museu. A vantagem é que no preço está incluído um audio-guide. Você recebe um aparelhinho, que parece um walki-talkie, aperta o botão e uma voz explica pra você, onde você está, como o negócio funciona e curiosidades sobre algumas das coisas que você está vendo no museu ou de eventos acontecidos naquele quarto, enfim, algum coisa relacionada às pessoas que viveram/passaram por ali. Esse audio-guide tem em várias línguas, português não, mas se você se arrisca no alemão, no inglês, no espanhol, no italiano, ou ainda mais outras, vale super a pena, nem que seja só pra entender um pouquinho. Gostei também porque não tem aquele painéis gigantes com zilhoes de coisas escritas, que depois da quinta sal você não aguenta mais ler. Nesse palácio tem uma sala onde o Mozart tocou pra rainha da época, quando ainda era menino, tem os quartos e pertences pessoais do Franz Joseph e da Elisabeth, tem um salão de baile com muitos espelhos, tem a cama super humilde onde o Franz Joseph dormia e onde ele morreu, tem a cama onde o casal dormia, tem uns banheiros da época, e muitas outras coisas muito interessantes. O quarto que eu mais gostei foi i Porzellanzimmer, que é quarto onde tudo é pintado e decorado como se fosse de porcelana, aquela azul sabe, coisa mais linda!! Ó uma foto da net pra vocês terem uma idéia (não pode tirar fotos dentro desse museu):
Pozellanzimmer - babem nos detalhes
fonte: www.schoenbrunn.at/
Eu achei lindo, nesse eu podia morar!! hahhaha
Entao, resumindo, que valeu  muito a pena visitar esse museu! Eu recomendo mesmo!! Mas claro que tem que levar em consideracao que é um lugar turístico, que recebe muita gente, muita gente mesmo. A gente foi no inverno, não quero nem pensar como fica aquilo no verão. Tem que considerar que muitos turistas são manés e não respeitam os outros, no nosso caso um  grupo de italianos falando absurdamente alto, estragando todo o clima de visitar um lugar desses, sei lá, minha opiniao, eu acho que num lugar assim você tem que ir com calma, sentindo e tentando entrar no clima da época, vendo e apreciando os detalhes, tem cada coisa linda de ver... daí vem uns manés que passam por tudo correndo, só pra dizer que já esteve lá e ainda por cima atrapalhando a contemplacao alheia... isso me tira do sério!! Mas enfim, demoramos bem mais do que o calculado como média de visitacao que dizia 50 a 60 minutos, nós ficamos mais que o dobro disso. Como eu disse dá pra fazer tudo correndo em 50 minutos, mas daí vai do gosto de cada um.

Para mais informacoes e fotos muito bonitas recomendo o site oficial e o  Wikipédia. Também é daí que eu peguei as informacoes.
---
Continua amanha...




Comentários

  1. Resgatados do Disqus:

    - Sempre uma boa deixar os museus para dia de chuva mesmo! :) Adorei o Pozellanzimmer!! Beijos!! - Carla Mannich

    - Ai Carla, esse quarto é encantador, você também ia amar ele!!! - babisenberg

    ResponderExcluir
  2. - Muito bonito mesmo, incrível!! Bjs - Carlakoni

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Conte-me o seu segredo...

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…