Pular para o conteúdo principal

Schloss Burg an der Wupper

Schloss Burg foi a segunda residência da família de Grafen (condes) e Herzöge (duques) von Berg e a maior reconstrução de um castelo em Nordrhein-Westphalen. Está localizado no bairro de Burg an der Wupper na cidade de Solingen.
o rio Wupper
Lukas e o Brezelmann
as casinhas da parte de baixo
subindo...
No início do século XII (após 1133), Adolf II von Berg construiu o castelo (Burg) como sede do governo dos condes von Berg em uma elevação ao lado do rio Wupper. Somente no século XV é que o castelo (Burg) se transformou em Jagdschloss, ou seja, um castelo com função de moradia, mais especificamente um castelo de caça (Jagd), mas ainda continuou a ser chamado Burg, por isso o atual nome "Schloss Burg"!

dá pra subir até o castelo de teleférico também

Schloss Burg com a estátua de Engelbert von Berg
Seu sucessor, conde Adolf III von Berg participou da quinta cruzada e morreu em 1218 no Egito. Seu irmao mais novo, arcebispo Engelbert I. von Köln, assumiu o condado de forma ilegal. Como conde Engelbert II von Berg (ou simplesmente Engelbert von Berg) construiu o palácio entre 1218 e 1225. Engelbert, como arcebispo e conde, bem como por ser amigo de confiança de Friedrich II e guardião do futuro rei Heinrich VII, tinha muito poder em suas mãos. Naturalmente  Engelbert também tinha inimigos, e depois de uma mediação fracassada foi morto por seu sobrinho Friedrich von Isenberg ( será que é meu parente???) em 7 de novembro de 1225.




Durante a disputa de sucessão entre os Limburg, o conde Adolf V participou da decisiva batalha de Worringen (1288). Após sua vitória o arcebispo de Köln, Siegfried von Westerburg foi preso no Schloss Burg. Adolf V teve então liberdade para construir uma cidade junto ao Reno sob seu domínio: Düsseldorf.


Durante os séculos XIII e XIV foi residência dos condes von Berg.



Cinco anos após a elevação do conde Wilhelm II von Berg a duque pelo rei Wenzel,  Düsseldorf passou a ser em 1385 a residência oficial  dos von Berg. O Schloss Burg passou a ser usado como residência de caça (Jagdschloss) e em ocasiões especiais. Em 1496 a filha do duque von Jülich-Berg foi prometida numa cerimônia de noivado infantil no Schloss Burg ao filho de Johann dem Friedfertigen von Kleve-Mark. Este casamento, que foi celebrando no castelo em 1509, levou à união dos ducados Jülich-Kleve-Berg. A segunda filha de Johann, Anna von Kleve, foi a quarta esposa do rei inglês Henrique VIII ( sabe aquele que rompeu com a igreja católica? Esse!).




Em 1632  o castelo foi bombardeado e sitiado pelos suecos na Guerra dos trinta anos. Depois da guerra tropas imperiais destruíram ainda as áreas de proteção do castelo (muros, portões, torres), exceto a prisão e alguns anexos.  Em 1700 o edifício principal foi parcialmente reparado. Até 1807 manteve-se como sede do tesouro e justiça de Bornefeld. Até 1849 o castelo foi usado por pequenas indústrias, entre outras uma fábrica de lã, e alguns edifícios do castelo ficaram abandonados. Na metade 1849 o telhado de palácio foi arrancado para se utilizar a madeira e o ferro em outras construções e a partir daí o castelo desabou quase que completamente e virou uma ruína.

o Schloss Burg desenhado nas paredes dele mesmo
maquete do Schloss

O arquiteto Gerhard August Fischer de Barmen trabalhou desde 1882 numa série de desenhos, planos projetos e escavações, por conta própria, para uma reconstrução do castelo. Ele usou também registros antigos e baseou-se principalmente na aparência dos castelos do século XVI ao longo do Reno.




Em 3 de agosto de 1887 foi criada uma associação de preservação do castelo (Schlossbauverein), que ajudou a custear a reconstrução do castelo, que começou em 1890. No castelo foi instalado um museu. Em 1920 o piso superior do palácio pegou fogo, assim como a portaria e as escadarias. Com ajuda de parte da bilheteria do que sobrou do museu as partes queimadas do castelo foram mais uma vez reconstruídas entre 1922 e 1925.


A aparência atual não é exatamente aquela encontrada em registros, mas atrai cerca de 250.000 visitantes por ano. O castelo hoje abriga também o Bergisches Museum, que conta um pouco da história da região em que se encontra, o Bergisches Land.


fontes: http://de.wikipedia.org/wiki/Schloss_Burg


Comentários

  1. Ah!!! você foi no Schloss Burg!!! Esse castelo fica a 15 minutos da casa do meu namorado, eu estive lá em abril tbm... Adorei o lugar!!!!

    Olhar essas fotos me dá uma saudade!!!

    Beijos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, que legal!! Eu adorei o castelo, ainda mais que o tivemos quase só pra nós, nao tinha nenhum turista lá no dia que a gente foi, só o pessoal do museu mesmo, deu pra curtir bem a visita!!

      beijo

      Excluir
  2. Nossa... eu amei as fotos. Adoro castelos... adoro olhar lá de cima e sentir essa energia diferente! Lembro de alguns na Austria que eu fui, adorei!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigada Nadja! Também adoro castelos, são sempre encantadores né?!

      beijos

      Excluir
  3. Babi! este passeio foi de arrasra hem... e quanta história!!!!
    Adoro ir olhando as fotos e lendo as explicações, melhor que livro antigo sem gravuras para aprender... :)
    beijossss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi mesmo Ana! Adorei conhecer esse castelo!! E que bom que vc gosta das minhas "explicações"! Eu gosto de saber essas coisas, por isso acabo escrevendo um pouco do que eu aprendo/pesquiso aqui pra compartilhar com vocês!!

      beijao

      Excluir
  4. Não sabia desse castelo, mais um pra lista dos que ainda posso visitar. Cidade bem charmosa também, pena que o tempo não estava ensolarado como no das fotos de Solingen, mas outono alemão é isso.

    Ah, adorei a nova foto de capa, linda linda!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também fiquei sabendo meio por acaso desse Schloss, enquanto procurava coisas pra fazer na regiao! E foi uma ótima descoberta, eu adorei! Pena mesmo que o sol só apareceu depois, mas outono é assim mesmo!

      que bom que gostou da foto nova!!

      beijinhos

      Excluir

Postar um comentário

Conte-me o seu segredo...

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…