Pular para o conteúdo principal

Campos do Jordão - dia II

O segundo dia já prometia desde o começo ser mais quente que o anterior, apesar de estar gelado logo cedo de manha. Tomamos café da manha no hotel e de lá seguimos para a estacão de trem, porque queríamos fazer o passeio que vai até o mirante de Santo Antônio do Pinhal. Praquela manha não tinha mais lugar, ou melhor, o casal na nossa frente comprou os últimos lugares, mas por pura sorte conseguimos os dois últimos lugares no passeio da tarde, apesar de em poltronas separadas. Mas isso pra gente era o de menos, o importante era o passeio. Como então nossa manha ficou livre e os programas mais no centro da cidade já tínhamos feito no dia anterior por causa da chuva, resolvemos ir até o Horto Florestal passar nossa manha lá. E que delícia de passeio gente. É bem fácil de chegar lá se você estiver de carro! Quando chegamos não tinha muita gente, quase ninguém na verdade. Fizemos a trilha da cachoeira que é a mais curtinha (4,7km ida e volta) e foi super gostoso estar em contato com a natureza. Na volta ainda ficamos brincando com o Leopold no parquinho. Gostei bastante do lugar, tem uma boa estrutura pra fazer piqueniques também. Muito bacana pra passar o dia inteiro por lá se for o caso. Custa R$12,00 por adulto e tem desconto pra estudantes e idosos.




Como tínhamos o passeio de trem já comprado voltamos pro centro da cidade já no começo da tarde. Às 2h partiu o trem, com várias poltronas vazias, diga-se de passagem. No fim nós 3 conseguimos viajar juntos porque muitas pessoas compraram o ingresso e não apareceram!!? O passeio dura 1 hora até a cidade de Santo Antônio do Pinhal, passeando pela serra. Este trajeto inclui um trecho de estrada de ferro em maior altitude no país. Temos uma vista linda lá de cima!! Chegando em Santo Antônio do Pinhal o trem pára por 30 minutos para apreciar a vista de um mirante que tem por lá e um lanchinho na lanchonete da estacão. No total são 2h30 de passeio, que eu achei muito legal. Vale muito pela vista que a gente tem! O nome da atracão é Trem do Mirante tá, porque existe também um bondinho que faz o trajeto só dentro do Campos do Jordão. Mais informacoes dos diferentes passeio de trem ali da região vocês podem encontrar aqui





Na volta estávamos já morrendo de fome porque passamos o dia só beliscando o que tínhamos levado na mochila. Fomos então ao restaurante alemão que eu já tinha visto de antemão em casa. O nome do lugar é Fräulein Bierhaus e como o próprio nome já diz tem bastante tipos de cerveja por lá. O Lukas matou as saudades das preferidas dele e eu comi o Schnitzel que estava desejando desde que voltamos da Alemanha. Claro que não é igual, igual, mas estava muito bom e eu recomendo! O restinho do dia passamos no hotel descansando e brincando com o Leopold, e planejando o dia seguinte, nosso último na cidade.

Comentários

  1. Que lindo o lugar! E a trilha, o Leopold levou numa boa?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi tranquilo Mari. Ele vai brincando pelo caminho, mas também temos uma mochilinha pra carregar ele quando cansa, entao é bem tranquilo!

      beijo

      Excluir
  2. Nossa, amei amei amei as fotos do alto das montanhas! Adoro essas vistas assim do alto. Será que é porque sou pequena? haha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também adoro essas vistas do alto. No meu caso acho que é porque cresci numa regiao bem plana...hehehhe

      beijokas

      Excluir
  3. Bárbara, adorei as fotos e a descrição do passeio que fizeram! Desejando Férias Jà! eeheheh
    Beijos,
    Aminah/Vandira
    www.farhanadiary.com

    ResponderExcluir
  4. Olá querida! Amo ler blogs e hoje descobri o seu e já inclui em minha lista de leitura!
    Te convido a conhecer o meu cantinho. http://www.blogalineneves.blospot.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Conte-me o seu segredo...

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…