Pular para o conteúdo principal

Campos do Jordão - dia I

Saímos de São Paulo debaixo de chuva. Isso porque Murphy é nosso companheiro desde que era nosso vizinho lá na Alemanha (história real gente, nosso vizinho de porta chamava Murphy) e sempre que viajamos pegamos chuva. Mesmo que no estada não chova há quase 1 mês, esteja em racionamento de água e tals... mas se a gente marca uma viagem é certeza que vai chover. Enfim... Nosso gps resolveu não funcionar na saída, mas pelo menos a gente tinha mais ou menos o mapa na cabeça, depois no meio da estrada o gps resolveu se encontrar e nos levou certinho até Campos do Jordão. Chegando lá perto, na serra era aquela neblina de não ver nada a alguns palmos de distância e o friozinho batendo. Foi delicioso.


O único problema é que o plano original era visitarmos o Horto Florestal no primeiro dia, mas debaixo de chuva não tinha como, por mais alemanizados que estejamos. A cidade parece não oferecer lá grandes coisas pra se fazer em ambientes fechados. As coisas mais interessantes são as em contato com a natureza, também é o que a gente mais gosta de fazer. Ficar trancado em casa e agente já fica em São Paulo né?! Mas no fim decidimos visitar o chamado Museu do chocolate que nada mais é que uma pequena apresentacao sobre o cacau e de como o chocolate se desenvolveu e uma vista do que o pessoal da fábrica está fazendo no momento. Coisa bem simples, mas deu pra fugir da chuva por uma meia hora. E o chocolate é bom. Ahh é o chocolate Araucária.




Dali seguimos pro Palácio Boa Vista, que é o palácio de inverno do governador do estado. Não comento nada quanto ao fato de um governador ter uma residencia dessas... Mas dentro do Palácio existem um acervo cultural bem interessante. com pinturas de artistas brasileiros, móveis e utensílios que são usados quando o governador recebe suas visitas. Achei bem interessante. A visita é gratuita,e guiada. O jardim do Palácio proporcionou belas fotos, especialmente quando chegamos debaixo de uma espessa neblina. Na saída já tinha limpado tudo.




Como o tempo pareceu se firmar arriscamos ir até o Museu Felicia Leirner, que não era uma das minha prioridades, mas que parecia oferecer uma passeio gostoso. E foi bem isso mesmo. Lugar super tranquilo, com uma bela vista. e estrutura muito boa para receber os turistas. Não deixe de visitar se um dia for à cidade! Entrada também gratuita!




Dali ainda conseguimos ter tempo de ir até o Mosteiro de São João acompanhar o canto gregoriano das monjas. Muito bonito, mas com criança pequena não deu pra apreciar muito atentamente.

Fomos enfim até o hotel e depois procuramos um lugar pra comer. A minha primeira opcao estava fechada, então tivemos que ir até o centrinho turístico pra descobrir alguma coisa. Acabamos parando no restaurante da Baden Baden já que o outro alemão não conseguimos encontrar sem estar com o endereço em mãos.

Comentários

  1. Nós também temos a lei de Murphy ao nosso lado. Sempre chove nas nossas férias, tipo, a pior chuva em 20 anos justo naquele lugar e naquele mês que estamos visitando aquela cidade. Eu sempre me pergunto pq????
    Achei a cidade uma graxa, não conheço, mas gostaria muito de desbravar mais o Brasil que é tão grande e lindo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como é que pode né?! Sempre chover quando a gente viaja?!

      Eu gostei da cidade também. Espero conseguir desbravar um pouco mais desse país, como você eu também nao conheco quase nada.

      beijo

      Excluir
  2. Hummm que delícia de cidade! Pelo visto mesmo com o tempo não colaborando muito o passeio foi muito bom!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apesar do tempinho ruim deu pra gente fazer bastante coisa Mari. É sempre bom quando a gente tem opcoes né?!

      beijo

      Excluir
  3. Poxa, acho que comentei aqui. será que o comentário nao foi? :/
    Acho que eu tinha dito que sempre fui louca pra ir a Campos do Jordao, mas nunca tive tempo ($$ rs). Eu tenho uma super paixao por cidades serranas, sabe? Sonho em morar na montanhas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ihhh parece que nao...

      Eu também tenho uma paixao especial por cidades serranas... acho tao lindas e aconchegantes!!

      Excluir
  4. Que lugar bonito! Não tinha ideia que existisse essas paisagens e predios bonitos lá! Adorei as dicas! assim que puder, quero ir conhecer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito bonito por lá Grazi!! Recomendo muito uma visita!!

      Excluir

Postar um comentário

Conte-me o seu segredo...

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…