Pular para o conteúdo principal

Último dia em Berlin

   No último dia em Berlin ainda aproveitamos e conhecemos mais algumas coisinhas... Fizemos o check-out logo depois do café da manhã, mas pudemos deixar ainda as malas no hotel, numa espécie de guarda volumes deles mesmo. Achei isso bem inteligente, porque deve ter muita gente que ainda quer aproveitar o último dia, e pegar um trem ou avião mais pro fim do dia, mas sempre tem a preocupaão com o check-out,e o que fazer com as malas... a gente ia deixar num desse armários de guarda-volumes na estação de trem, mas pra isso teríamos que pagar e ali era cortesia mesmo, além de não precisarmos carregar as malas de um lado pra outro, sendo que nosso trem saiu mesmo da Ostbahnhof... resumindo: mão na roda!
   A gente queria muito ter visitado as redondezas do hotel no sábado, mas vocês lembram que eu escrevi que tinha chovido bastante no sábado né... por isso a gente fez o passeio na segunda de manhã. Tinha uma igreja que nos pareceu interessante desde o primeiro dia que chegamos, porque dava pra ver ela da rua do hotel, fomos então caminhando até lá, pra vê-la. Não deu pra entrar, mas de fora ela era realmente bonita... passeamos por ali um pouquinho e depois voltamos e fomos procurar a tal da East Side Gallery, que é uma parte do muro que ficou em pé e que agora é todo pintado. O muro é todo pintado no seu lado leste, o que é uma ironia porque era bem esse o lado que não podia der pintado enquanto durou a DDR, mas após a queda do muro e da reunificação, foram convidados 118 artistas de 21 países para pintar os 1363 metros de muro que restaram ali. Acredito que algumas das pinturas são conhecidas por vocês, a gente volta e meia vê em documentários ou mesmo quando se procura sobre turismo em Berlin (vejam mais fotos no link acima). Por ser um ponto turístico estava até relativamente vazio, mas também era cedo, mas pelo menos deu pra tirar fotos sem muita gente na frente.
rio Spree, no fundos no hotel

igreja St. Thomas

igreja St. Thomas

tem esses "canos" por toda cidade, mas não descobrimos o que é

plaquinha da Eats Side Gallery

East Side Gallery

East Side Gallery - quem não conhece essa??

East Side Gallery

East Side Gallery

East Side Gallery

East Side Gallery

East Side Gallery - essa também é super famosa

East Side Gallery
   Dali fomos mais uma vez pro centro pra ir na loja da Ritter Sport, que é o chocolate que eu mais gosto, ou pelo menos que eu conheço desde criança porque a parentada da Alemanha sempre levava desse pra gente!! E claro que sabendo que em Berlin tinha uma loja deles eu não podia perder né... O nome da loja é Bunte Schokowelt Berlin e além de loja é também um mini museu e lanchonete/restaurante, onde você mesmo pode fazer seu chocolate!! Eu amei o lugar!! Os sabores eram os mesmos que a gente encontra no mercado, só um dos tabletes grande é que tinha um sabor que a gente ainda não conhecia, obviamente compramos pra experimentar. Lá descobrimos também o porque da barra ser quadrada e não retangular como as outras: diz que uma mulhar chamada Clara Ritter, teve a idéia observando que as pessoas gostavam de levar chocolate para assisitir atividades esportivas, mas que seria mais prático se existisse um que coubesse exatamente nos bolsos, daí surgiu a idéia do tablete quadrado, e do slogan: "quadratich. praktisch. gut" (quadrado. prático.bom).
Bunte Schokowelt Berlin
fonte: http://www.ritter-sport.de/#/de_DE/berlin/

Bunte Schokowelt Berlin

Bunte Schokowelt Berlin

Bunte Schokowelt Berlin
E foi isso, ainda passamos numa lojinha pra procurar uma lembrancinha prum amigo do Lukas, passamos na Hauptbahnhof pra verificar o horário do trem e comprar as passagens, almoçamos por lá mesmo, voltamos ao hotel pra buscar as malas e esperamos o trem chegar. A viagem de volta foi tranquila, fizemos um trajeto diferente do da ida, trocando de trem mais vezes, mas foi legal, apesar do frio e chuva em uma das trocas... chegamos em casa lá pela 6h da tarde e praticamente capotamos...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…