Pular para o conteúdo principal

Bodas de papel - Berlin - parte 2

    Então, ontem parei de escrever e a gente estava em frente ao Brandenburger Tor, não é verdade?!! Então hoje vou continuar dali, porque o dia de passeio não acabou ali não, era só o começo na verdade. Seguimos pela "Unter den Linden", que é a rua que segue a partir do Brandenburger Tor até a Schlossbrücke, e ao longo dessa rua tem inúmeras lojas chiques, além das lojinhas de badulaques pra turistas, e mais lá perto da Schlossbrücke tem uma região onde encontramos a Universität Humbolt, a Staatsbibliotek, o Zeughaus, a Staatsoper e mais muitas outra construções importantes. 
Humbolt Universität

Bebelpltaz

Zeughaus com Fernsehturm

carro de cerveja, ao fundo Dom e Fernsehturm
   Nessa etapa paramos pra descansar um pouco na sombra e comer uma curry-wurst (típico de Berlin), o que no calorão que estava não foi muito esperto, um sorvete teria ajudado a aliviar a temperatura, mas foi bem bom. Com a barriga mais cheia atravessamos a Schlossbrücke e chegamos à Museumsinsel (Ilha dos museus - http://de.wikipedia.org/wiki/Museumsinsel_(Berlin)) onde fica o Dom (http://de.wikipedia.org/wiki/Berliner_Dom), onde nós entramos pra conhecer. 
Schlossbrücke

Friedrichswerde Kirche vista de cima da Schlossbrücke

Rotes Rathaus vista da Museuminsel

Dom
   Primeiro subimos na cúpula pois ainda estava tendo culto lá dentro. Muitas escadinhas tortuosas e curvas e mil e uma passagens,foi bem doido, mas chegamos lá em cima,eu realmente achei que íamos nos perder.... hehheh... De lá de cim pudemos ter uma vista geral da cidade, não é tão alto como daqui do Michel, mas foi bem interessante ver as coisas lá de cima. Descemos e já pudemos entrar realmente dentro da igreja, também interessante,mas o mais doido foi quando fomos à cripta da igreja, sério, nunca tinha visto tanto caixão junto... muito louco, tem muita gente morta lá, é tudo gente importante, ou os filhos das "gentes importantes", eu não vou saber dizer direito quem, mas tem a lista no link da wikipédia que passei ali em cima. 
vista

vista para a Musemsinsel

contraste novo/velho

a praça em frente ao Dom, à direitaé o Altes Museum

dentro do Dom
   De lá seguimos em direção à prefeitura, Rotes Rathaus. No caminho passamos por uma lojinha pela qual me apaixonei, muitos brinquedos feitos de madeira, coisa muito fofa, se eu tivesse filhos já seria um problema sério não entrar alie comprar alguma coisa... e ao lado tinha uma loja do Ampelmann, que é uma marca que se apossou dos homenzinhos vermelho e verde dos semáforos de pedestres da época da DDR, que ainda existem em Berlin (entrem nesse site e vão ver do que eu estou falando: http://ampelmann.de/), acabei que nem comprei nada dele, mas eu achei super legal! 
lojinha bonitinha
   Passamos entao em frente à Rathaus,sentamos num banquinho pra descansar e como ainda tínhamos pique e eu queria ver uma parte do muro, pegamos um U-bahn ali na Alexanderplatz pra ir até mais perto de onde queríamos. Antes disso claro que uma foto com o famoso Fernsehturm também, agora bem de pertinho.
Rotes Rathaus

Fernsehturm
   Como já disse fomos de U-bahn até mais perto de um lugar que tem ainda restos do muro, descemos na estação Potsdamerplatz e de lá andamos duas quadras até o "Topographie des Terrors" que é uma exposição a céu aberto (não quer dizer que não tenha portão), ao lado de uma  parte do que restou do muro. A exposição é interessante, ela conta a história de como o tal do Hitler chegou no poder e porque, e como dali tudo se desenvolveu... não tivemos muito tempo lá dentro porque o negócio fecha às 20h e a gente chegou tipo 15 minutos antes disso... mas foi legal até, o mais importante pra mim era ver o tal do muro. 
muro

através do muro

Topographie des Terrors
   Tiramos as tradicionais fotos e como estávamos bem perto do Checkpoint Charlie, fomos andando até lá também. Gente, eu queria muito escrever sobre a história de todos esse lugares e tal, mas pra isso eu precisaria de bem mais tempo, quem sabe um dia eu ainda faço isso, mas por enquanto vou deixando só os links mesmo tá, quem tiver interesse vai fuçando, eu só posso dizer que vale muito a pena). Então, a caminho de lá tiramos a tradicional foto do vermelho/verde prá vocês verem como é o sinaleiro de pedestre, eu tirei uma foto com um urso, afinal o nome Berlin tem tudo a ver com urso (Bär em alemão) - se isso é verdade mesmo eu não sei, mas pelo tanto de urso que tem pela cidade... se não for é um trocadilho legal e eu vou continuar acreditanto que é assim.... hehehhehhe... 
sinaleiro vermelho

sinaleiro verde

Bär
   Encontramos também um trabi, um carro tipico da DDR (http://de.wikipedia.org/wiki/Trabant_(Pkw))
Trabi
   Também paramos pra clássica foto atravessando a fronteira entre Berlin leste e oeste e o tal do checkpoint Charlie (http://de.wikipedia.org/wiki/Checkpoint_Charlie), onde ainda tem um tiozinho fardado que tira fotos com turistas lá pra ganhar uns trocados... tem de tudo em cidade turística! 
linha do muro

Atravessando

Checkpoint Charlie
   A esse hora a gente já estava podre então resolvemos encerrar o dia e voltar pro hotel. Na Ostbahnhof ainda compramos donut no Dunkin' donuts, porque o Lukas queria muito que eu experimentasse já que aqui em Hamburg não tem, e essa foi a nossa janta...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…