Pular para o conteúdo principal

Berlin - dia II (27 agosto)

   No segundo dia em Berlin resolvemos visitar coisas um pouco mais longe, como por exemplo o Schloss Charlottenburg (http://de.wikipedia.org/wiki/Schloss_Charlottenburg, até a parte em português está compridinha), antigo palácio real da Prússia. Este dia já estava bem mais agradável, no começo do passeio inclusive começou a chover um pouco, mas não por muito tempo, claro que o dia continuou nublado e mais fresco, mas não precisamos nos refugiar em nenhum museu por causa do tempo (pena?!). Passeamos pelos jardins do palácio, gigantesco por sinal, e muito, muito bonito, num dia de sol deve ser fabuloso! Andamos por lá acredito que cerca de1h-1:30h.
Schloss Charlottenburg

Schloss Charlottenburg

Schloss Charlottenburg

Schloss Charlottenburg

Schloss Charlottenburg - Belvedere

Schloss Charlottenburg

no caminho pra estação de trem encontramos
essa bomba de água que ainda funciona!!!!!

esperando a U-Bahn
   Nossa próxima parada foi a Kaiser-Wilhelm-Gedächtniskirche (http://de.wikipedia.org/wiki/Kaiser-Wilhelm-Ged%C3%A4chtniskirche), que deveria ter esta cara: 
Kaiser-Wilhelm-Gedächtniskirche
fonte: wikipédia.de
Mas, infelizmente ela está em "reforma" (ou sei lá como que poderia chamar isso já que ela é uma ruína) e por isso estava toda coberta... entramos no espaço que ainda sobrou, mas tava lotado de gente lá dentro, que nem tirei fotos... também porque fiquei muito decepcionada... depois do muro acho que essa construção era a que eu mais queria ver, não sei bem porque, talvez porque minha professora de alemão falou dela na aula... Mas enfim, seguimos em frente e passamos também na KaDeWe (Kaufhaus des Westens - http://de.wikipedia.org/wiki/Kaufhaus_des_Westens) que é tipo um shopping (to virando alemã, já ia colocar um "c" ali no "schopping"... hahhahahh) onde tem todas as lojas das marcas mais chiques que você puder imaginar: Mon Blanc, Dior, Prada e assim por diante (quem se interessar o site deles aqui: http://www.kadewe.de/). Eu como não ligo nada pra essas coisas dei só aquela passadinha básica pra saber como é que era, afinal também é ponto turístico, mas eu me senti no Paraguay, só tinha mais perua, mas de resto, igual! A essa hora já tava quase com fome de novo, devia ser lá por 1h da tarde, encontramos um restaurante de burritos que chamou a atenção, chamava "dolores" (http://www.dolores-online.de/1000.html). O meu nem tava tão apimentado, pedi só com 1 foguinho, mas o Lukas pediu com 3... sei que saí de lá com bem mais calor do que antes... hehheh... mas foi interessante, eu nunca tinha comido um,eu sempre prefiro os tacos. Ficamos na dúvida de voltar ou não ao hotel, mas já estávamos por ali resolvemos irainda ver  a Siegelssäule, também famosa (http://de.wikipedia.org/wiki/Berliner_Siegess%C3%A4ule). No caminho encontramos o Thomas, que eu já tinha visto de manhã do trem, claro que paramos e tiramos foto... hhahahhahah... 
almoço na dolores

almoço na dolores
O Thomas estava em Berlin!!
   Andamos no entorno do parque que tem ali, até chegar ao nosso destino, tiramos as tradicionais fotos e ainda resolvemos explorar outros caminhos, mas teve uma hora que não deu mais, as pernas já nã obedeciam nenhum comando, fomos então descansar um pouco no hotel, tirar cochilo e essas coisas, afinal, já estávamos há pelo menos 5 horas caminhando. Foi a melhor coisa que a gente fez, porque dali a pouco começou a chover...e bem bastantinho até... a nossa exploração do bairro em que se encontrava o hotel foi adiada... enrolamos mais um pouco no hotel, mas daí lembramos que naquele sábado deveria ser a noite em que os museus estariam abertos até às 2h da manhã, e já que estava chovendo era uma ótima opção!!

Siegelssäule

Siegelssäule

Siegelssäule

nosso hotel
 Fomos então até a Museumsinsel onde fica o Pergamonmusem (http://de.wikipedia.org/wiki/Pergamonmuseum) que a gente queria muito visitar, em especial meu marido historiador, é claro! Mas infelizmente ele não estava participando do evento, na verdade, só um dos museus ali da ilha estava... e obviamente estava lotado... não nos arriscamos, e decepcionados fomos caminhar então por ali, já que a água que caía do céu no momento não poderia ser chamada de chuva. Passamos pela Friedrichwerder Kirche, tirei mais fotos com ursos, seguimos pela Französische Str. até o Gendarmenmarkt (http://de.wikipedia.org/wiki/Gendarmenmarkt), onde tem o Deutscher Dom e o Französischer Dom, e o Berliner Schauspielhaus, coisas que ainda não tínhamos visto.
Museumsinsel

Neues Museum(esquerda), Pergamonmuseum (lá atrás no meio)
e Alte Nationalgalerie (direita, aqui na frente)

Dom com chuva

ursos

Gendarmenmarkt com o Französische Dom aqui na frente e
o de trás é o Deutscher Dom

Deutscher Dom e Berliner Schauspielhaus

Placa da Gendarmenmarkt e Französicher Dom
   Seguimos mais uma vez pela Französische Str. até chegarmos ao memorial aos judeus, também super conhecido.



   Passamos mais uma vez pelo Brandenburger Tor, e dessa vez deu pra tirar foto sem muita gente, em compensação, foto no escuro com flash fica meio ruim se vc quiser colocar uma pessoa... mas a foto só do portão ficou boa... 



   Ali decidimos aproveitar e ir num restaurante (esse aqui ó: http://www.altberliner-wirtshaus.de/), pra comemorar nosso aniversário de casamento, que segundo o Lukas tinha que ser no sábado mesmo levando em conta o calendário lunar, só no solar é que o dia seria domingo... enfim, fomos e comemos muuuuito, muuuuito mesmo, eu acho que não dei conta nem da metade, mas tava bom, e tomamos a famosa Berliner Weisse (http://de.wikipedia.org/wiki/Berliner_Wei%C3%9Fe), que é um cerveja misturada com alguma coisa doce, eu tomei a vermelha eo Lukas a verde... pra quem nao gosta de cerveja como eu é ótimo porque a gente quase não sente o gosto amargo... 




E assim terminou nosso sábado em Berlin...

Comentários

  1. Meu sonho de consumo é uma bomba de água no meu jardim, pode ser um pouco menor do que a que vcs fotografaram!!!!

    Mas , e que coisa sem graça beber cerveja com coisa doce dentro, eca!!
    Mas no mais, deve ter sido uma viagem única!!
    um beijo, mami

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Conte-me o seu segredo...

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…