Pular para o conteúdo principal

A Modernidade

Fiquei pensando hoje sobre a modernidade dos meios de comunicação e como, apesar de facilitar bastante, também prende as pessoas. Antigamente quem morava longe se comunicava por meio de cartas, e era isso, mais tarde quando inventaram o telefone, era aquele telefonema no natal e quem sabe em algum aniversário... hoje em dia, além do telefone (um pouco mais barato que há alguns anos) ainda tem a internet, com as mil e uma utilidades e funções. Eu aprendi que telefone é pra recado, e que não se liga pra casa das pessoas após as 22h a não ser em caso de emergência... talvez por isso eu nunca tenha sido uma pessoa muito amiga do telefone (pra falar a verdade, odeio falar ao telefone), nunca fui de ficar horas batendo papo, quando necessário falo o que tenho que falar e desligo. Eu sempre amei escrever e receber cartas. Na adolescência tinha muitos amigos por correspondência, com alguns era só troca de figurinhas de SJ, mas fiz algumas boas amizades também. Enfim, a questão hoje é que por causa dessa modernidade, quem mora longe tem muitos meios mais pra manter contato com quem ficou pra trás... Acho bom manter contato, mas também acho que prende a gente um bocado. As pessoas acabam esquecendo de fazer novos amigos, contatos reais, daqueles de falar pessoalmente... Eu percebo isso aqui na prática, a gente fica o tempo todo abrindo o e-mail pra ver se alguém escreveu e eu não gosto disso... eu me sinto presa, toda hora tem que ficar de olho se não tem alguém chamando no msn (o meu meio de comunicação) ou skype (o do Lukas)... marcando horário pra falar, porque parece que tem que falar o tempo todo, pelo menos 2x por semana, porque se não parece que uns não se importam com os outros e vice-versa.... acho que tem alguma coisa errada aí! Não tem mais aquela espontaneidade, o falar porque está perto, e não porque "TEM QUE".  É o problema do imediatismo, do tudo pra ontem, do sua vida está sendo acompanhada por mim, etc. Eu queria muito voltar a me corresponder por cartas... de não ter que saber/relatar tudo na hora exata em que aconteceu, de poder sair de casa e passear, sem ter alguém reclamando depois: "onde vocês estavam?", "esqueceram da gente"... o problema é que eu também já estou começando a fazer isso, e eu não gosto nem um pouco desse novo eu egoísta e imediatista!! Ok, dá vontade às vezes de que as pessoas estivessem do lado, que pudessem participar de algumas coisas, mas não dá!! então não tente compensar isso usando a modernidade, aceite o fato de que as pessoas estão longe e seguindo suas vidas e você não precisa saber tudo que está acontecendo... quando se encontrarem vão conversar, botar as fofocas em dia, mas não ache que se falando todo dia pela internet, vai ser a mesma coisa, não vai, só vai fazer ficar pior e nenhuma das partes vai viver sua vida tranquilamente, vai ter sempre que correr pra ligar o computador na "expectativa de", e isso, pra mim, é muito ruim.

Comentários

  1. Babi! Eu também adoro cartas, mas faz uns bons anos que eu não escrevo nenhuma.... mas no natal passado eu mandei pelo correio os cartões que eu mesma fiz, pra toda a família...
    Faz o seguinte: meu endereço é Lyder Sagens Gate 7, 0358 Oslo Norway, me manda uma carta bem bonitinha, que eu prometo que te respondo... cheia de figurinhas :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Conte-me o seu segredo...

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…