Pular para o conteúdo principal

Hamburg Bergedorf


Bergedorf é atualmente um bairro de Hamburg, mas antigamente já foi uma cidade independente, como muitas outras que já descrevi por aqui. O nome Bergedorf é uma referência à sua localização e a diferença de altitude em relação à vizinha Vier- und Marschlande (região mais plana e pantanosa), ainda que Bergedorf não esteja realmente em cima de uma montanha. As pessoas que ali viviam, provavelmente ainda antes do ano 1000, eram chamados de “Berger” (algo como moradores da montanha), e ao longo dos anos esse nome foi mudando até chegar ao atual Bergedorf.

mapa de Hamburg e aquela parte vermelha
mais escura é onde fica Bergedorf
Fonte: http://de.wikipedia.org/wiki/Datei:Bergedorf_in_HH.svg

Bergedorf

Schloss Bergedorf

A história de Bergedorf começa a ser registrada no ano 1162 com a primeira menção conhecida ao lugar. Entre os anos 1202 e 1227 Bergedorf ficou sob controle do rei dinamarquês, um período de grande desenvolvimento para a vila, que ainda hoje pode ser visto no centro da cidade. Em 1208 o rio Bille, que passa pela cidade, foi represado e nele construído um moinhos de grãos. Como um precursor do “castelo” que até hoje existe, foi construído entre 1212 e 1224, um Wasserschloss (castelo com fosso), ao redor de qual começou um segundo povoamento. Em 1275 o vilarejo já era considerado cidade. Na maior parte da sua existência, entre 1420 e 1867, a cidade esteve sempre sob a administração tanto de Hamburg quanto de Lübeck. Com o Groß-Hamburg-Gesetz (uma lei da cidade de Hamburg) do dia 1 de abril de 1937, Bergedorf perdeu sua autonomia como cidade e foi transformada em um dos muitos bairros de Hamburg.
Bergedorf

Bergedorf

Bergedorf

Gasthof Stadt Hamburg

Bergedorfer Windmühle

O Bergedorfer Schloss é o único Schloss(castelo do tipo feito mais pra moradia, não para defesa, como são os Burg; no português se usa castelo pros dois, mas Schloss seria mais como um palácio) na cidade de Hamburg. Não se sabe ao certo quando foi construído, existem apenas especulações a respeito. Em documentos existe menção a uma fortificação primeiramente no século XIV. Até 1420 a construção serviu como moradia dos duques de Sachsen-Lauenburg. Após esse período as cidades hanseáticas Hamburg e Lübeck a tomaram o controle da cidade nas suas mãos e transformaram o castelo em sede do governo. Em 1868 Hamburg comprou a parte de Lübeck, pondo fim ao duplo poder de quase 450 anos. O edifício passou então a abrigar variados setores da administração municipal, tal como da polícia. Com a anexação na primeira metade do século o castelo passou a abrigar o Museum für Bergedorf und Vierlande.

Bergedorfer Schlosspark

Bergedorfer Schlosspark

Bergedorfer Schloss

Bergedorfer Schloss

Bergedorfer Schloss

Bergedorfer Schloss


Bem no centro, ao lado do Bergedorfer Schloss, está a igreja St. Petri und Pauli zu Bergedorf. A primeira menção feita a uma igreja no lugar da atual St. Petri und Pauli data de 1162. Ela pertencia à diocese de Ratzenburg. Provavelmente devido a ter sido gravemente danificada com um fogo a primeira igreja foi demolida em 1499 e logo depois começou-se a construir outro edifíco no lugar. Em 29 de junho de 1502, o dia dos apóstolos Pedro e Paulo (Petri e Pauli em alemão), a nova igreja foi consagrada. 


St. Petri und Pauli Lirche zu Bergedorf 
St. Petri und Pauli Lirche zu Bergedorf

St. Petri und Pauli Lirche zu Bergedorf

St. Petri und Pauli Lirche zu Bergedorf

St. Petri und Pauli Lirche zu Bergedorf

Comentários

  1. mto informativo o Post de hj... Quem sabe alguem se anima e vem ver de pertinho o Schloss?? ai pode aproveitar e nos visitar tb né gatinha!! bjos!!!

    ResponderExcluir
  2. Muito lindo esse bairro! Tudo antigo! :D
    Quero visitar quando eu for aí!

    ResponderExcluir
  3. oba, vamos visitar sim, e no caminho pra la ainda tem o IKEA... hhehheheh...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Conte-me o seu segredo...

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…