Pular para o conteúdo principal

passagem rápida por terras tupiniquins

Pois é, já faz mais de uma semana que estamos de volta em casa. Agora já está tudo limpinho e arrumado de novo, dá pra passar um tempo no computador pra atualizar as coisas pra voces.
Vou fazer um resumo do que a gente fez por lá, só pra constar aqui e pro pessoal que não conseguiu nos ver também ficar por dentro das andanças...
Chegamos no Brasil numa quarta-feira. Decidimos ir até campo Grande e começar a visita pelo MS, já que de um jeito ou de outro a gente ia ter que fazer uma conexão mesmo, porque não né... A conexao em Sao Paulo foi beem apertada, com direito a brigar com a tiazinha da TAM em busca de um telefone público que funcionasse, mas conseguimos pegar o vôo (que eles andiantaram). O Thomas e o papi foram nos buscar de avião pra agilizar a chegada na fazenda. Por lá ficamos 2 dias, nos adaptando ao fuso horário e botando as fofocas em dia. Na sexta embarcamos no ônibus pra Curitiba, viagem clássica de 16 horas. E lá passamos uma semana, revendo um monte de gente, com zilhões de compromissos, definitivamente a parte mais cansativa da viagem (sem contar os vôos né, essa é sempre a parte mais cansativa). No domingo seguinte, dia 25 chegamos de volta na fazenda, recepcionados por um churrasco feito pelo maninho, pra coemçar a ajudar nos preparativos da festança do aniversário de 60 anos do papi, o motivo principal da viagem! Aquela semana também passou voando, em meio a muitos preparativos e idéias sendo colocadas em prática. Na sexta dia 30 a visitarada já foi começando a chegar e sábado e domingo foi dia de festa, com direito a tempestada de poeira e muito mais. Eu peguei um gripe danada bem no finzinho da viagem, tive até que recorrer à antibióticos pra ver se melhorava um pouco pra poder encarar a viagemde volta. Enfim, foi ótimo poder rever quem conseguimos rever, infelizmente o tempo foi curto, não deu pra ver todo mundo, mas a viagem valeu, foi bem gostoso... mas melhor ainda é poder voltar pra casa, pro nosso cantinho, onde a gente pode fazer as coisas do jeito que a gente gosta e no nosso ritmo.

PS: fotos estao no facebook, porque eu estou no laptop e as fotos estao no outro pc

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…