Pular para o conteúdo principal

Sábado é dia de passear

Sábado é o dia da semana que, se não está chovendo, ou com cara de, fazemos a maioria das nossas andanças por ai... o Lukas não precisa trabalhar, a gente não se sente tão vagal de não fazer nada útil e também não é domingo, que normalmente já tem aquela cara mais deprimente por anteceder a segunda-feira.

No sábado do dia 15/10, era pra gente ter ido pra Lüneburg, mas como as cólicas me atrapalharam a vida decidimos ficar em casa e se me sentisse um pouco melhor faríamos um passeio mais perto, com a possibilidade de voltar a qualquer instante se a dor me perturbasse demais. Assim então saímos à tarde e fomos passear no Stadtpark de Hamburg! Esse é aquele parque municipal da cidade de HaMburg, o maior, que escrevi um pouco aqui, não o HaRburg, que fica aqui perto, no bairro que a gente mora. Enfim, é uma viagenzinha de S-bahn (trem metropolitano) ate lá, mas é bem tranqüilo de chegar. A gente só conhecia ele branquinho, mas dessa vez deu pra explorar um pouquinho mais. Deu pra descobrir que tem um lago, e que amantes de barquinhos de controle remoto se divertem ali. O lago na realidade é ligado a um dos inúmeros canais da cidade e inclusive faz parte de um dos passeios de barco oferecidos pros turistas (daquele mesmo que tipo que fizemos com o papi e a mami). Claro que o parque tem muitos espaços vazios. cobertos com gramado pro pessoa se divertir, jogando alguma coisa, fazendo piquenique, ou mesmo só se torrando ao sol. Mas é aquele mesmo esquema de parque de sempre aqui na Alemanha: trilhas no meio de árvores, diversos caminhos a escolher, com muitos cantinhos bonitinhos pra descobrir, chão de pedrinhas e não de asfalto e alguns cafés espalhados... O Stadtpark fica numa região mais nobre da cidade e antigamente existiam ali diversas construções que supriam as necessidades sociais da população da região,como por exemplo um salão de baile, um café chiquetoso, mas obviamente a guerra destruiu quase tudo... hoje em dia tá bem diferente do que era, mas ainda tem umas placas que explicam coisas, é bem interessante, bom eu adoro descobrir e tentar imaginar como eram as coisas antes...
Stadtpark
o lago
o barco de turistas
os caminhos de pedrinha
Lukas e o lago
outono
eu
um dos cantinhos
outro cantinho
e maisum cantinho
No sábado seguinte então conseguimos ir pra Lüneburg pra eu conhecer a cidade sem neve, segundo o Lukas. A previsão do tempo estava favorável então aproveitamos, porque aqui nunca se sabe quando o sol vai decidir tirar férias, ou a chuva vir fazer daquelas visitas de parente que se anuncia pra 2 dias e fica o mês inteiro (hahahhah... ainda bem que não tenho desses... espero...). A vantagem é que o Lukas não precisa comprar passagem pra ir até lá e pra mim e só necessário comprar um "ticket adicional” já que eu tenho um ticket mensal, mas que não engloba tooooda região. Sobre a cidade já escrevi bem detalhadamente aqui, quando o Thiago e a Letícia nos visitaram em janeiro desse ano. Essa é aquela cidade bem antiga, que tem quase todas as construções bem tortas ou com barriga, devido à exploração de sal na região. Como já conhecíamos as igrejas (sempre uma boa opção de visita no inverno SE elas tiverem aquecimento, o que nem sempre acontece), dessa vez fizemos mais passeios externos, também porque a temperatura estava bem mais amena que na última visita. Passeamos um pouco pelo centro, passamos no centro de informações turísticas pra dessa vez pegar um mapa, compramos nosso imã de geladeira básico de todas as viagens e seguimos em direção à igreja St. Michaelis, aquela que o Bach cantou, e que é uma das igrejas que fica bem na região do afundamento da cidade (sim, é afundamento mesmo, leia o outro post de Lüneburg que você descobre do que eu estou falando). Ali bem ao lado tem o Kalkberg, uma montainha de onde dá pra ter uma bonita vista da cidade. É muito doido, porque do nada tem um morro no meio da cidade.
A gente também andou ao lado do antigo muro da cidade, passamos no antigo porto, onde tiramos nosso sanduichinho do bolso pra fazer uma pausa pro almoço, e no fim decidimos procurar o Kloster Lüne, um mosteiro que deveria estar relativamente perto de onde estávamos. O mapinha não tinha assim todas as ruas sabe, daí foi um pouco complicado de chegar lá, mas conseguimos... ainda é um mosteiro de mulheres que pode ser visitado no período de não-inverno, onde se encontra também um museu de tecelagem. A gente só andou por fora, porque ainda estava fechado, mas achei tudo bem bonitinho por lá.
Lüneburg
Lüneburg
Lüneburg
casinha torta
ruína
subindo o Kalkberg
alguém acha o esquilo???
a vista
a vista
St. Michaelis
será que tá torta??
antigo porto
Alter Kran
caminho
horta do mosteiro
Kloster Lüne
Kloster Lüne
o centro de novo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…