Pular para o conteúdo principal

Freilichtmuseum Kiekeberg

O museu, que atualmente abriga 33 edifícios históricos dos séculos XVII ao XX numa área de 12 hectares, tem foco na história cultural do norte da Lüneburger Heide e da região pantanosa do rio Elbe. Além dessas construções ele tem ainda um salão de exposições mais moderno, tanto para exposições fixas quanto temporárias. Do lado de fora encontra-se uma série de jardins e hortas além de animais de antigas raças domésticas. Em 2012 foi aberto o Agrarium, uma sala de exposição interativa sobre agricultura e a indústria de alimentos. 
a construção da entrada

a ferraria

que tal morar aí hein??

dentro de uma das casas

cerca estilosa

os polacos andarm por aqui... hauhauhauha

O museu ao ar-livre foi fundado em 1953 por Willi Wegewitz, então diretor do Helms-Museumem Hamburg-Harburg. O ponto de partida para seu projeto foram as rápidas mudanças na agricultura e nas vilas da região. A fim de preservar a tradição que estava se perdendo, foi comprado um Hof inteiro e transportado para o Kiekeberg de forma a poder ser apresentado às gerações futuras. (Pode-se dizer que Hof seja uma fazenda ou uma chácara, e neste caso as casas e construções que faziam parte dessa fazenda/chácara é que foram transferidas até o Kiekeberg que é o nome do morro na região em que se encontra hoje o museu). Wegewitz construiu o museu com grande diligência e entregou ao seu sucessor Noel Ahrens em 1966, não apenas um Hof, mas uma pequena vila típica da Heide (Heidedorf). Ahrens continuou o trabalho, aumentou as áreas livres, estendeu jardins, e integrou projetos educacionais ao museu.
o fogao

os donos das casa dormiam ao lado do forno,
aquela abertura ali é a cama



a entrada do Museu

Comentários

  1. Que bonitinho esse lugar! Aqui na minha cidade também tem um freilichtmuseum, mas ainda não fui lá conhecer...Adorei as fotos, essas paisagens bucólicas são muito legais, já sinto o cheiro de lenha queimando nesse frio, hehehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale muito a pena visitar um Freilichmuseum Grazzi, eu achei simplesmente fantástico me transportar no tempo desse jeito!

      Excluir
  2. Só visitando um museu desses é que a gente vê que não pode reclamar da vida, rs... Tudo era extremamente braçal naquela época né... e imagina o frio que fazia até que a lareira começasse a esquentar a casa :-(. Muito interessante esses museus ao ar livre. Tava frio né Barbara? :-). Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Sandra! Mas sabe que eu acho que ia ser até legal... sei lá o pessoal tinha muito mais contato com a natureza, isso me faz uma falta... deve ser saudades de casa afetando meu cérebro mas fico mesmo pensando em como seria legal... hehehheh

      Tava frio essedia sim... congalante...

      bjs

      Excluir
  3. Que bonito! Ai cada paisagem aí parece tirada de um livro de contos de fadas!

    ResponderExcluir
  4. Adorei! Tudo tão diferente! Cheiro de mato, tudo feito a mão...

    ResponderExcluir
  5. São realmente muitos os museus ao ar livre que há pela Alemanha.
    Muitos etnográficos e não só. Nesta região também já visiteis alguns, com muitas fotografias :-)
    Gostei de conhecer mais um pelo seu blogue :-)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Luís! Este foi o primeiro do tipo qe visitei, quem sabe ainda consigo conhecer outros!

      Excluir
  6. Oi mulher! Eu sumo, mas eu volto! Desculpa demorar tanto pra aparecer por aqui.. As vezes eu venho e nao comento... Depois fico pensando que voce vai achar que eu te abandonei.. haha... to aqui!
    Essa foto do fogao... O fogao eh esse treco no chao? onde ficava o fogo? debaixo do chao? Sou cegueta, nao entendi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Imagina Luana, nem se preocupe... Eu muitas vezes leio os posts, mas nem sempre tenho idéias de comentários e acabo deixando. Acho que as pessoas devem pensar que eu nem as visito mais...mas é pura preguica mesmo!!

      Entao o fogao é aquilo lá mesmo, o fogo era feito no chao e a panela ficava pendurada por cima!! Provavelmente vc já deve ter visto em filmes coisas parecidas, mas nao associou... Deu pra enteder com a minha super explicacao?!!

      Excluir
  7. Saudades destes posts seus que adoro!!!
    Que interessante tudo isso né? Muito bacana o museu...
    beijossss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que você gosta desses posts Ana! Eu gosto de fazer, mas ultimamente estou numa preguica danada... Espero logo logo voltar a escrever mais!!

      beijo

      Excluir
  8. Aqui na Noruega tem uns museus assim ao ar livre também, acho o máximo!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também adoro museus assim. Eu visitei o de Oslo!! É lindo!! Quando tiver oportunidade vá, é muuuito legal!! Até já fiz um post breve aqui no blog: http://segredosdamontanhadeferro.blogspot.com.br/2012/09/oslo-parte-ii-nosk-folkemuseum.html

      beijo

      Excluir
  9. Legal o blog, curiosidades e dicas sobre a Alemanha! Vou conhecer em abril. Eu ñ falo alemão, mas falo bem inglês. Dá para me virar apenas c/ o inglês né? Vi que o seguro viagem é obrigatório e eu ainda ñ contratei. Alguém me indica uma boa empresa? Bjs, Márcia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que elgal que vai pra Alemanha! Divirta-se por lá, é um país lindo!! Você vai adorar!! Nas cidades mais turísticas é super tranquilo se virar com inglês sim! Sobre seguro de viagem eu nao conheço nenhhum porque quando fui foi pra morar e daí a coisa é um pouco diferente, infelizmente nao tenho como te ajudar nessa área!!

      beijokas e ótima viagem!!

      Excluir

Postar um comentário

Conte-me o seu segredo...

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…