Pular para o conteúdo principal

Questão de estilo

No mês de marco recebi dois elogios tanto no meu estilo de me vestir, quanto no do meu filho. Esse tipo de comentário vindo de pessoas conhecidas ( no caso do Leopold) e também totalmente desconhecidas ( no meu caso) servem pra mostar que por mais estranho que possa parecer pra maioria das pessoas existe gente que pensa como eu. E elogios são sempre bem vindos não é?

Não tenho fotos dos dias em que recebi os elogios, mas montei pra vocês mais ou menos os looks comentados.

No meu caso, estreei uma saia comprada num brechó em Hamburg-Harburg, o bairro que eu morava na Alemanha, que tristemente levei muito tempo pra entrar e me arrependi, poderia já ter muitas coisinhas lindinhas vindas de lá nesses quase 4 anos na bairro. Só pra me gabar, a saia custou a merreca de 1,50 euros!! E o distinto senhor que me abordou pra me elogiar perguntou de que país eu vinha e se meu modelito era um traje típico de algum país em específico. Quando eu mencionei que vinha do Brasil ele não conseguiu acreditar... ahhahah... jurava que eu viesse ou da Itália, ou do Canadá, ou sei lá mais onde... hahahha... Foi super gente boa e me surpreendeu ele achar que era algum traje típico!! 



Já o do Leopold foi recebido de uma querida amiga. Eu sou daquelas que adooora criancas de macacão! Simplesmente sou fanática! Em geral já gosto de um estilo meio retrô, ai quando resolvo juntar essas jardineiras pelas quais tenho verdadeira paixão, com os casquinho de lã tricotados pela minha Oma Uschi... Tem como não amar?!!


Comentários

  1. Eu sempre admiro pessoas que são autênticas e originais, este com certeza é o seu caso Bárbara . Chega de modismo, tem gente também que não gosta como eu me visto dizem que parece roupa de Oma ou muito comportada. Na verdade mesmo o que importa é o nosso gosto e o que nos faz sentir bem o resto a própria palavra já disse é o resto é não importa. Gostei do look o do Leopold então arrasou.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem isso, o que importa é como a pessoa que se veste se sente com aquela roupa, a opinião dos outros nao deveria ser tão importante!

      Excluir
  2. Bárbara é o tal negócio. Tem roupas que para serem usadas precisam que a pessoa tenha determinado estilo.
    Eu tive uma saia com estampa xadrez que adorava. Depois que ela se foi, rs... nunca mais consegui comprar outra saia com estampa em xadrez e acho tão elegante usar saia assim no inverno com bota.... Meu estilo é mais clássico (eu acho), então acabo misturando muitas coisas. Mas confesso que achar roupas com babados, xadrez, é bem difícil. Tem que ser mesmo em brechó. As vezes você até encontra nestas lojas mais tradicionais, mas pelo menos aqui na Suíça essas roupas não são nada baratas! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você Sandra. Cada pessoa tem seu estilo, e essa é a graça da vida. Acho um saco quando vejo muitas pessoas usando coisas que nao combinam nada com elas só porque "está na moda", acho o fim do mundo! Não é muito fácil mesmo encontar xadrez e babados, mas achei que na Alemanha até que tinha e a preços bacanas, no Brasil é que é muito difícil a não ser que esteja na moda.

      Excluir
  3. Oii Babi!!
    Que bonitinha a saia!! Sua cara ela! :)
    E crianças de jardineira são realmente uma graça!! O Leopold fica muito fofo!!
    Beijãoo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Adorei essa saia Carla, vc sabe né que eu adoro saia xadrez...

      Excluir
  4. Amei a saia e a meia-calça, lindas!! E as roupas do Leopold são todas charmosinhas, acho uma fofura. Eu concordo com o que você respondeu ali para a Sandra, o que mais tem por aí é gente usando roupas só porque tá na moda, mas você vê que não tem nada a ver com a pessoa. Quando a gente veste o que a gente gosta porque a gente gosta, não porque a moda diz que devemos usar, somos muito mais felizes :)

    beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Marcela!!

      Com certeza quando a gente veste uma coisa que a gente gosta somos muito mais felizes!!

      beijão

      Excluir

Postar um comentário

Conte-me o seu segredo...

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…