Pular para o conteúdo principal

Tragetuch

Tragetuch é o nome em alemão para o que no Brasil é chamado de sling (que acredito ser o nome da peça em inglês). E ele foi a nossa opção de meio de transporte do nosso bebê. Li bastante a respeito, ouvi muitas coisas contra e a favor, e decidimos remar contra a maré e carregamos até hoje nosso pequeno no pano de mais de 5 metros de comprimento enrolado no corpo. Alguns fizeram cara feia ( a tradição na Alemanha diz que Opas e Omas compram o carrinho de bebê), mas batemos o pé e ficamos só com a opção do Tragetuch mesmo. E foi a melhor escolha que poderíamos ter feito. Naquelas primeiras semanas, em que ele não queria dormir de jeito nenhum, que ele ficava agitado no meio da noite, a nossa salvação foi ter o sling! Era só colocar ele lá dentro e puff, dormia feito um anjinho. Quantas e quantas voltas o Lukas não deu com ele lá fora no comecinho da manhã pra que eu pudesse dormir mais um pouquinho... E pra eu fazer as coisas na casa enquanto ele não quer sair do colo... Cozinhar, passar roupa, encher e esvaziar a máquina de lavar roupa e secadora.... Enfim, "pano" pra toda obra mesmo! Até hoje o Leopold abre aquele sorrizão só de ver a gente pegando o macacão de ursinho ( macacão super mega quente pra não passar frio agora no inverno alemão) e o pano colorido! É tão lindo de ver!


Desde semana retrasada temos um carrinho usado da filha dum primo da minha Oma, que ganhamos por insistência da minha tia-avó... Agora ela e todas as demais pessoas contra o Tragetuch estão tranquilas crentes que é com isso que levamos o Leopold pra passear. Nós na realidade continuamos usando o Tragetuch, o carrinho só em dias de fazer as compras no supermercado, porque afinal ele tem aquelas cestinhas embaixo que dá pra jogar mais um monte de coisas dentro, então facilita, mas o sling vai sempre junto pro caso do pequeno querer.


Comentários

  1. Pela carinha de feliz do Leopold dá pra ver que ele gosta mesmo do sling!!!
    Fofíssimo!!! :D
    Que bom que estão todos adaptados ao sling!!!
    Beijãooo!

    ResponderExcluir
  2. Ai que fofura que ele tá! Deve ser bem mais aconchegante pro bebê ficar abraçadinho no colo dos pais do que num carrinho né.
    Bom final de ano pra vocês!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ta nesmo Grazi, cada vez mais fofo!! Ahh eu acho super legal quando ele pode ficar assim bem juntinho, é bom pra eles e é bom pra nós!!
      Bom final de ano pra você também!!

      Excluir
  3. Estou querendo um também, só ouvi coisas boas e acho que vai ser muito bom, principalmente porque carrinho é bem mais caro e as ruas nem sempre colaboram para andar com ele, e como eu faço tudo a pé...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha Mari, eu incentivo, vale muito a pena viu!! E realmente as calçadas curitibanas nao ajudam nada... hehehe

      Excluir
  4. Que fofinho o seu bebê :-).
    Por aqui eu vejo muitas mães usando o Tragetuch. Não sei agora, mas no Brasil, via pouquíssimo (ou era eu que não reparava?!!). Acho que o bebê até prefere ficar no Tragetuch do que no carrinho, rs....mas né, tem horas que não dá para contrariar a tia-avó e é melhor aceitar o presente, rs... Bjs!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, acho que no Brasil não lembro de ter visto também... Mas aqui vejo sempre... E com certeza eles preferem muito mais ficar coladinhos nos papais do que largados num carrinho!!

      beijoss

      Excluir
  5. ahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
    eu sempre sinto uma onda morna a aquecer meu coracao quando vejo bebes carregados coladinhos na mamae, no papai... se for num "pano", derreto de vez!
    Bebes slingados sao bebes felizes!
    Desde grávida eu sabia que iria slingar meu bebe, a sogra um dia perguntou "q carrinho vc`s vao comprar?" respondi "vamos usar um Tragetuch" e ela,muito escrtoa responde "Nao sou mulher de tragetuch, sou mulher de carrinho"... Sem contar o sem número de coisas preconceituosas e puramente baseadas em desinformacao que ouvi "faz mal pra coluna do bebe, nao presta carregar, colo estraga a crianca". Quando ouvi isso, sempre respondi "por favor, dá uma olohada no site TRagenetzwerk.de e depous conversamos. Nunca mais um bip.
    Até compramos um carrinho usadissimo, por desencargo de consciencia, usamos apenas 2 vezes pra nunca mais. Mora agora o trambolhao no sótao... enquanto isso eu faco absolutamente tudo com o menininho a bordo. Ah! Em inglês nossos Tragetuch se chama Wrap :D
    E, sim, como vc, eu tb sou uma mulher de Panos :D
    beijukkas direto de Sylt!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma delícia né?! Eu amo carregar ele por aí!!

      beijos pra você também

      Excluir

Postar um comentário

Conte-me o seu segredo...

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…