Pular para o conteúdo principal

Gedenkstätte KZ- Neuengamme

Enfim o tal do post difícil de escrever...
o que restou do trilhos
No dia 01 de maio fomos de bicicleta visitar o que restou de um antigo campo de concentração (Konzentrationslager cuja sigla é KZ) aqui em Hamburg, e que hoje serve de memorial. Desde outubro de 1981, as instalações e exposições em Neuengamme informam sobre a história do acampamento.  Em 2005 o memorial foi ampliado favorecendo exposições, encontros e estudos relacionados ao tema.
esse amontoado de pedras mostra onde eram
as antigas construções do KZ
Este campo era o maior do noroeste da Alemanha e "abrigou" mais de 100.000 pessoas no campo principal e em seus mais de 86 campos satélite, dos quais aproximadamente 9% eram alemães e 91% presos provenientes dos países ocupados. Cerca de 42.900 pessoas morreram em consequencia das condições de trabalho e vida no campo (o "extermínio pelo trabalho"), pela morte direta e como vítimas das desocupações/desalojamentos/realocações.
fundamentos que sobraram da
antiga prisão do KZ
No final de 1938 a SS criou numa fábrica de tijolos abandonada em Hamburg-Neuengamme um campo satélite para o KZ Sachsenhausen, que no início de verão de 1940 foi ampliado e promovido à campo de concentração independente.  Durante a Guerra, a Gestapo e o Serviço de Segurança da SS deportaram como prisioneiros para o KZ Neuengamme dezenas de milhares de pessoas de países ocupados da Europa. As razões para a prisão eram geralmente a resistência à ocupação alemã, a rebelião contra o trabalho forçado ou a perseguição racial.
vagão que transportava presos
Nesse campo de concentracao e nos seus campos satélites os presos tinham que trabalhar duro para o esforço de Guerra, especialmente entre 1942 e 1944, suprindo empresas de construção e de defesa em todo norte da Alemanha. A vida e as condições de trabalho eram extenuantes. Pouco antes do fim da Guerra mais de 16.000 presoso morreram nas Todesmärschen (marchas da morte - que consisita no deslocamento dos prisioneiros entre os campos de concentração e extermínio), em campos de extermínio, e em bombardeios aos navios que transportavam prisioneiros, como por exemplo o Cap Arcona.
prédio da fábrica de tijolos
Após a Guerra, a administração militar britânica usou os edifícios do antigo campo de concentração como um campo de internamento pro 3 anos. Em 1948 a área foi passada para a cidade de Hamburg que ali construiu uma prisão. Em 1960, mais um prisão foi construída na área do antigo KZ. A construção de um memorial se deu em 1965 na antiga horta do KZ onde também eram jogadas as cinzas do presos mortos, e em 1981 ao lado do primeiro memorial foi construído um centro de documentação.
o que restou do presídio "moderno"
Fontes: http://de.wikipedia.org/wiki/KZ_Neuengammehttp://www.kz-gedenkstaette-neuengamme.de/
-----

Ufa, consegui! Tem muita informação sobre o lugar, tem muita coisa que a gente nao entende, tem emoção demais visitando um lugar assim... isso que a gente ficou só do lado de fora, não visitamos nenhuma exposição dentro do prédios... mas deu pra entender porque é difícil escrever sobre um lugar assim?! As fotos ficaram lindas, porque o dia estava maravilhoso, um dos primeiros de sol e calor de verdade... Vou deixar mais algumas fotos pra vocês e se se interessarem pelo assunto vejam os dois links de onde tirei as informações, vão ver que tem muuuita coisa, coisa que a gente nem imagina, que a gente nunca ouviu falar, enfim, muita coisa pra aprender!







Comentários

  1. Realmente post difícil de escrever... isso porque vocês "só" ficaram do lado de fora! Eu nunca visitei um campo de concentração, não sei se teria coragem... a maldade que fizeram foi tão surreal que é difícil pra gente conseguir entender muitas coisas, mas a tv alemão não cansa de exibir documentários sobre o nazismo. Esses dias foi exibido um doc sobre a Eva Braun, mulher do Hitler, foi super interessante. Fiquei com vontade de ler a biografia dela. No doc, aqueles nazis parecem que viviam em mundo a parte, pois eles viajavam, se divertiam, como se nada estivesse acontecendo. As vezes a maldade humana nâo tem limites... cruzes!! Bjsss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu adoro ficar assistindo documentários sobre qualquer coisa, mas esses sobre a Guerra e tal sempre me interessam bastante... talvez porque eu sou uma pessoa curiosa, talvez porque me dá um aperto no peito e lágrimas nos olhos pensar que meus avós ainda viviam aqui naquela época. Adoro pensar em como esse povo passou por tudo isso, e reconstruiu um país... sao tantos pensamentos, tanata histórias, tantos lados, tantos entretantos... Difícil, muito difícil...

      Excluir
  2. Ai, é muito triste tudo isso, nao é?
    eu fico super triste quando vejo essas coisas...
    um dia eu fui num museu judeu e anoite eu sonhei que era eu lá na guerra, que eles matavam minha familia... ai foi tao real!
    bjsss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. triste mesmo Anna... eu choro muitas vezes vendo documentários sobre o assunto...

      bjss

      Excluir
  3. Oi Babi!
    essa historia do Nazismo é mesmo chocante... triste!
    tenho vontade de conhecer também um local que ocorreu a história, mas do jeito que sou voltarei arrasada...
    Da pra imaginar quanta gente sofreu aí? de pensar que iria morrer, de estar longe dos filhos, ou dos pais, ou do marido, da esposa e saber que não encontrariam mais, apenas a morte... caracas é muito forte isso...
    beijossssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana!!

      Também tinha medo/vergonha de sair meio chocada/chorando de um lugar assim (nao aconteceu acho que pelo fato de nao termos entrado pra ver as exposicoes, acho que lá dentro teria acontecido), mas sabe o que?! quando fui, fui pensando que eu podia sim chorar e me emocionar... porque né, sou um ser humano, com sentimentos, tenho todo direito de me colocar no lugar do outro e me entristecer com o que aconteceu, me entristecer com a estupidez humana... e tentar tirar disso um sentimento de querer melhorar, de lutar pelas coisas que acredito serem certas, se nao deixar me levar pela falsidade dos pensamentos alheios!

      beijos

      Excluir
  4. Nossa, é deprimente pensar em quanta coisa ruim e triste ocorreu em um lugar tão bonito! Post difícil mesmo! Ver/ler coisas sobre guerras é muito ruim, pois você vê como o ser humano pode ser ruim... triste isso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bem isso mesmo Carla!! Fiquei um bom tempo matutando como ia escrever os horrores que se passaram nesse lugar e postar as fotos que ficaram tão bonitas... Não é nada fácil!

      Excluir

Postar um comentário

Conte-me o seu segredo...

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…