Pular para o conteúdo principal

Ser ou não ser

O dilema atual da minha vida ( pelo menos um deles), é o desejo louco de voltar hoje mesmo pro lugar que eu aprendi a amar e a resolução que eu tinha feito comigo mesma de que eu deveria aproveitar o tempo aqui no Brasil pra conhecer um pouco mais dessa terra ainda tão desconhecida. Estou lutando entre viajar pra Alemanha por 2 semanas junto com meu marido que vai fazer seus contatos profissionais por lá, e fazer duas ou mais viagens menores aqui mais perto mesmo. Eu sou louca pra conhecer as cidades históricas de Minas Gerais, e tinha pensado em passar meu aniversário por lá. Tem ainda umas antigas fazendas de café aqui no interior de São Paulo e do Rio que me tentam há alguns meses. Além de, claro, a serra gaúcha que já conheço em partes, mas que adoraria conhecer com mais calma e não rodeada de um bando de adolescentes. Preciso decidir logo, as passagens só fazem aumentar de preço e eu estou louca de saudades dos amigos que deixei na terra gelada, queria tanto rever aquilo tudo, mostrar pro Leopold o país  em que ele nasceu...

Ai ai vida difícil de ser gente indecisa...

Comentários

  1. Bárbara, viajar é tudo de bom! Se você tem a oportunidade de conhecer um bocadinho mais do Brasil e tem orçamento para isso, faça. Eu mesma fico com coração apertado por conhecer muito mais da Suécia do que do nosso país. Mas ao mesmo tempo eu entendo sua indecisão. Às vezes, precisamos abrir mão de pequenas coisas para conseguirmos outras maiores, né? ;-)

    ResponderExcluir
  2. Ai ai ai... complicado mesmo! Eu pensaria assim: quais lugares conseguiria voltar antes? Por exemplo, se teu marido vai fazer contatos profissionais lá, então há uma possibilidade forte de voltar para lá morar num futuro mais ou menos próximo, não é mesmo? Nesse caso, eu aproveitaria agora para passear por aqui. Se por outro lado a tendência mais forte é ficar no Br por um tempo mais longo, sei lá, 1 ano ou mais, eu aproveitaria a oportunidade para passear na Alemanha. Não sei, uma ideia. Viajar é tudo de bom!

    ResponderExcluir
  3. adoro viajar! mas a verdade é que conheço bem pouco o brasil.
    a idéia é a cada ano que voltar por aí de férias, eu aproveite e passe uma semaninha em alguma regiäo brasileira que näo conheço. nunca deu certo e eu continuo aqui louca pra conhecer o pantanal, os lençóis maranhenses, o serrado e o sul do brasil, além de voltar a minas (täo lindinhas aquelas cidades) e a chapada diamantina.
    entäo, ó, se teu plano é mesmo voltar pras bandas de cá, aproveita pra viajar por aí enquanto dá tempo. depois a gente acaba deixando pra depois :/

    ResponderExcluir
  4. O Brasil é mesmo um lugar que precisa ser bem explorado, pq tem coisas lindas e eu infelizmente conheço pouco dele.
    Ai que indecisão... Ainda bem que não é minha.. hahahaha.. pq eu sou tão indecisa qto vc.

    Bj

    ResponderExcluir
  5. Oi Barbara! Obrigada pelo seu comentário. Cheguei aqui agora e posso entender um pouco essa tua indecisão! Viajar é muito bom, não importa se seja dentro do nosso país de origem. O Brasil é lindo demais e tem taaaaaaantos lugares lindos pra se explorar. Também concordo com os outros comentários, se as chances de voltar pra Alemanha sejam grandes (mesmo que demore um pouquinho) aproveita pra conhecer mais do Brasil sim, caso contrário, vá maltar saudades da terrinha alemã. Estive em koln agora em janeiro, foi pouquinho, mas voltei apaixonada pela Alemanha.

    beijo e espero que teu coração consiga decidir o que é melhor por agora!
    :*

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Conte-me o seu segredo...

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…