Pular para o conteúdo principal

O desfralde

Não sei se vocês vão se interessar pelo assunto. Mas como eu já falei das fraldas de pano e como foi a minha relacao com elas, e porque o blog é meu e eu escrevo sobre o que eu quiser (huahauha risada de bruxa malvada), vou deixar aqui um breve relato de como foi o desfralde por aqui.

Antes de mais nada quero deixar bem claro que cada um tem um jeito de fazer, só vou escrever o que aconteceu comigo. Cada criança é uma e cada família é uma!

Bom, por aqui o cocô já estava rolando no vaso desde os 8 meses de idade, quando o pequeno já sentava direitinho e como fazia sempre em horários relativamente previsíveis começamos a colocá-lo no vaso sempre que dava. Por vezes funcionou super bem, por vezes houve escapadelas. Mas no geral cocô já estava sendo no vaso há um bom tempo inclusive com ele avisando quando precisava ir. Então o desfralde a que me refiro aqui é basicamente em relacao ao xixi mesmo.

A primeira semana foi a mais intensa, demorou um pouco pra ele perceber o que estava acontecendo, foram várias mudas de roupa num único dia. Quando percebi que ele estava ficando meio chateado quando não conseguia lembrar de pedir eu decidi que iria colocá-lo no vaso a cada hora. E assim passei acho que uns 3 dias cronometrando os tempos entre as idas ao banheiro, até que ele começou a me dizer quando precisava ir. Claro que volta e meia ele ainda tem recaídas, especialmente quando ele está muito distraído ou animado com alguma coisa. Mas acho que faze parte. E o melhor de tudo é que não preciso mais lavar fraldas no fim do dia, as cuequinhas vão junto com o resto da roupa da casa sem nenhum problema. É muito mais prático também carregar só cuecas quando a gente sai do que aquela montueira de fraldas.

Foi, e ainda está sendo uma experiência muito interessante. Só não é interessante quando eles precisam fazer cocô em banheiro público né?! Cada coisa que a gente tem que enfrentar...

Comentários

  1. Ai Barbara, a mim o assunto muito interessa! Huahauha. No meio de tantas intelectualidades que podemos falar, falemos de xixi e cocô!
    Que bom que aconteceu assim com o cocô... eu confesso que é a parte que ainda me deixa com um pé atrás quando leio sobre simplesmente tirar a fralda de uma vez. Fico pensando em limpar cocô por tudo que é canto, e a ideia não me atrai muito. Rs.
    Eu estou meio dividida ainda entre começar o desfralde ou esperar mais um pouco. Por um lado, quero aproveitar para faze-lo no verão, com menos roupinhas para molhar e o calor que ajuda. Por outro lado, apesar de ela avisar quando está com cocô (mas só depois que fez) e se recusar a "sentar sobre o cocô", não apresenta mais sinais. Comprei um peniquinho há alguns meses já, e a coloco nele quando tiro a roupinha para tomar banho, aí vou conversando e explicando, mas até agora nada! Nem um xixizinho! Rsrs. Não sei se começo, se deixo um pouco mais para a frente (sendo que logo vem o inverno, ou ter que esperar pelo próximo verão... mais um ano inteiro de fralda nonononono), enfim... estou lendo muitas experiências para ter uma luz sobre que attitude tomar.

    ResponderExcluir
  2. hahaha adorei essa do "o blog é meu" :D
    Olha, eu nao pretendo ser mae, mas adoooooro ler sobre assuntos de mae. No facebook eu curto várias páginas sobre parto e maternidade. Entao, pode falar a vontade desse assunto porque eu acho super interessante :)

    ResponderExcluir
  3. Obrigada por compartilhar. Eu também estava pensando esses dias fazer um post sobre o desfralde do Noah e do Eliah, que foram super diferentes um do outro! Só para deixar registrado mesmo. Bom ler e reler essas coisas cotidianas.

    ResponderExcluir
  4. Aaah, eu to comecando a usar as fraldas de pano agora.. mas ainda to me batendo com isso. So comprei as de estilo pocket.. e acho que tenho que comprar mais absorventes. E so comprei 6 fraldas.. e 12 abworventes.. rsrs. O meu ta com 4 meses.. estamos nos acostumando ainda :D
    Sucesso nesse desfralde pro seu pequeno

    ResponderExcluir
  5. Oi Bárbara!
    Passando para visitar o seu cantinho... e eu achando que você só tinha a conta do instagram rs.
    E que surpresa... você já um bay! Wow! Preciso colocar a leitura em ordem URGENTE!
    Parabéns pelo blog. Beijos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Conte-me o seu segredo...

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…