Pular para o conteúdo principal

Que falta que faz


De vez em quando eu sento em frente ao computador pra mostrar fotos pro Leopold. Mas aí volta e meia me bate muita saudade de Hamburg. Eu nem achava a cidade muito bonita, gosto mais das cidadezinhas menores, mais charmosinhas. Mas agora não tem como negar que Hamburg é uma cidade linda, não só por nos ter acolhido por 3 anos e meio. Tudo la me faz falta, especialmente poder sair pra fotografar. A luz que faz naquele hemisfério é tao diferente. Em especial na primavera e no verão. Simplesmente adorava sair sem rumo com máquina a postos pra registrar as belezas da rua, das árvores, das paisagens, dos prédios. Como não sentir falta de um lugar assim tao carregado de história, de emoção, de sentimento. Claro, tinha seus dias cinzas, seus intermináveis dias de chuva, mas até disso sinto falta, ate isso me fazia sair de casa e fotografar.




Comentários

  1. Hamburg continua na minha lista de cidades para conhecer na Alemanha. Espero ter essa oportunidade! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale a pena hein Sandra!! Hamburg é uma cidade única!!

      beijos

      Excluir
  2. mesmo sendo cinza e chuvosa... adoro hamburg!
    é uma das minhas cidades alemäas favoritas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É... realmente... acho que pra mim também vai estar sempre entre as cidades alemas favoritas...


      beijos

      Excluir
  3. eu me sinto assim também com relação a Cranbrook, a cidade canadense que morei. reclamava pacas dela e dizia que não aguentaria viver lá por muito tempo, mas hoje até as coisas de que eu reclamava me fazem falta. seres estranhos somos, né?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estranho mesmo né Paula!! Muitas vezes a gente precisa estar longe, ou perder alguma coisa pra dar o real valor!!

      beijos

      Excluir
  4. Babi, eu também acho que a luz é diferente, é mais sutil, acho que por causa da latitude. Acho a luz do sol no Brasil muito dura, mas é porque vem "de cima" mesmo, né? Sei lá, faz muita sobra, é forte demais. Eu não fotografava no Brasil o quanto eu fotografo agora, e olha que nem acho que é muito. Espero que os próximos anos passem rapidinho, assim quando você menos esperar estará de volta à Alemanha. Bom, quando vocês voltarem, vocês pretendem voltar para Hamburg ou morar em outra cidade?

    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Marcela, acho que tem a ver com a posicao do sol mesmo...Lembro que num curso de fotografia o professor falou de que era melhor fotografar em dias nublados, porque nao criava tanta sombra... aí agora fiquei pensando: esse cara nunca foi pro Brasil, fotografar nessa luz aqui é beeeem pior!! hahahhahah

      A princípio vamos pra onde der, nao é nossa idéia voltar especificamente pra Hamburg, ia ser legal morar lá de novo, mas também nao é a cidade dos sonhos... Mas acho difícil... quem sabe vamos mais pro sul da Alemanha, o que seria bem interessante já que nao conhecemos quase nada por lá...

      beijokas

      Excluir
  5. Qualquer lugar que vivemos sempre vai conosco um pedaço, né? Que bom que Hamburg te traz tão boas memórias.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Debbie... a gente sempre carrega um pouquinho dos lugares com a gente...

      Excluir

Postar um comentário

Conte-me o seu segredo...

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…