Pular para o conteúdo principal

Pao de cebola no liquidificador

Nos primeiros dias no apartamento novo, quando a arrumação de mudança e todos os detalhes ainda estão bem longe de estar perfeitos, quando ainda assim precisamos comer e não queremos ir todo dia duas vezes ao dia até a padaria mais próxima, descobri essa receita que foi uma mão na roda pra mim, e ainda continua sendo. Lembro que quando tive que me desfazer da minha máquina de pão na Alemanha disse que essa seria uma das primeiras coisas que compraria na casa nova no Brasil, mas aí a gente vai vendo que existem outras prioridades. Adoro máquina de fazer pão, acho super útil e com certeza vai ser adquirida em breve, mas enquanto isso vou me virando com esse pão de liquidificador e suas variações e estamos bem contentes com o resultado!

2 ovos
¾ xícara de óleo de canola ou milho
1 colher (sobremesa) de sal
1 colher (sopa) de açúcar
1 ½ xícara de água morna
1 cebola grande picada
15g de fermento seco pra pao
Cerca de 1 Kg de farinha de trigo
Gema para pincelar
Orégano para polvilhar

No liquidificador junte: ovos, óleo, água, cebola, açúcar, sal e fermento. Bata. Numa bacia grande juntar à farinha. Amassar e modelar em uma bola e deixar descansar cerca de 40 minutos ou até dobrar de volume. Dê uns soquinhos na superfície para tirar o gás.
A partir daqui existem 2 opções:
1)     Modelar bolinha menores. Deixar coberto com um pano de prato úmido por 10 minutos. Amassar e modelar novamente deixando descansar por mais 30 minutos antes de colocar no forno;
2)     Amassar mais um pouco e dividir a massa em 2, modelando e deixando descansar por mais 30 minutos.
Pincele a gema e polvilhe o orégano. Coloque no forno pré-aquecido a 180°C por cerca de 30-40 minutos.

Eu nem sempre polvilho o orégano e também faço sem a cebola. 


Espero que tenham gostado! 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…