Pular para o conteúdo principal

O veredito sobre as fraldas de pano modernas

Agora depois de um ano e meio de uso posso vir e dar a minha sincera opinião sobre o uso das fraldas de pano. Antes de mais: super recomendo!! Agora vou contar minha história com elas.
Assim que nasceu, no hospital usamos  as descartáveis. Primeiro porque elas são oferecidas por lá, segundo porque não estava a fim de levar as minhas e já ter um montão delas pra lavar quando chegasse em casa e depois porque os primeiros fluidos mais sólidos são assim um tanto quanto mais grudentos e por recomendação de uma conhecida não era muito prático tirar isso das fraldas de pano.
Nos primeiros dias em casa descobri que as fraldas eram um tanto quanto grandes, especialmente nas pernocas finíssimas que meu filho tinha. Nenhuma das fraldas que eu tinha dava conta de ficar no corpinho magrelo. Isso principalmente porque eu tinha escolhido as fraldas que crescem junto com a criança, que teoricamente servem desde o nascimento até o desfralde. No nosso caso não serviram desde o começo. Por isso, se por acaso eu tiver outro bebe, pretendo investir em algumas fraldinhas menores, que sirvam só nesses primeiros momentos mesmo. Já que já tenho as outras não vai ser um investimento assim tão grande. Além de que dá pra alternar com as descartáveis. E também foram só nas primeiras 2 ou 3  semanas. Depois disso as fraldas começaram a servir e nós fomos substituindo gradativamente até ficar usando só as de pano.

As fraldas que nós temos são de vários tipos, mas as que mais gostei foram as estilo pocket, que tem um bolso onde você coloca algum tipo de “recheio” que vai ser o que realmente vai absorver o que precisa ser absorvido. Existem outros tipos, algumas que não são impermeáveis e que você ainda tem que colocar uma calca plástica por cima, trocando basicamente só a parte de dentro e não a de fora. Na Alemanha sei que se usa bastante desse tipo, e também fraldas no estilo antigamente com uma calçola de lã por cima (lã é impermeável gente), mas aqui no Brasil não acho que usar lã seria uma boa idéia... Enfim, vou deixar listado o que temos usado por aqui:

Pop in da marca close- Essas são bem interessantes. Elas tem três partes: a de fora que é basicamente a parte impermeável com uma pequena parte mais suave do lado de dentro que é meio pensada em ser útil na época do desfralde, sendo usado só isso. Eu não usei com esse objetivo, não sei se funciona bem. E as duas partes de dentro que são abotoadas na parte externa, uma maior e uma menor pra aumentar ainda mais a absorção. Sempre usei as duas juntas e nunca tive problemas. O único inconveniente dessa fralda é a secagem. Aqui no Brasil é super úmido então essa parte de dentro que tem elástico, demora muuuito pra secar e em dias especialmente úmidos não secam mesmo, tem que jogar na secadora. Só atenção que a parte de fora não vai na secadora. Então é um servicinho meio chato. Mas tirando isso ela é super boa, tanto que é a que a gente usa a noite, por aguentar bastante, mesmo sem o extra noturno que existe pra ela mas que nunca precisamos usar.



Imse Vimse- Essa é uma que não compramos das que crescem com a criança, nem sei se ela oferece isso. Temos de 3 tamanhas diferentes: newborn, pequena e média, a grande deixei pra comprar mais tarde se precisasse mas como já estamos quase desfraldando nem vamos precisar. Foi a que melhor serviu nas primeiras vezes (tamanho newborn),  porque justamente era mais específica pra idade. Ela vem com tudo nela mesma. Não preciso desmontar ela pra lavar. Tem duas tiras absorventes costuradas nela mesmo que absorvem bem. É bem pratica só não gosto muito do sistema de fechamento que é com velcro, mas ele não fica muito ergonômico, ficam parece umas pontas pra fora. Enfim, não é nada ruim não, elas funcionam super bem pro que se destinam.



Famicheer  e Baby vivo– Desse tipo é o que mais vejo aqui no Brasil. Ela é basicamente um tecido impermeável e colorido do lado de fora e um tipo fleece dentro, com uma abertura onde você enfia mais recheios, conhecidos por aqui como absorventes (acho). No começo colocava 2, por agora 1 já dá conta do recado, já que quase não existe mais xixi na fralda, o vaso está ganhando um novo amigo...  Fecham com botões, que no começo parece ser ruim, mas depois que as crianças crescem e aprendem a puxar o velcro pra tirar a fralda se faz bem mais esperto. Secam muito bem mesmo em dias mais úmidos. A diferença entre as marcas é basicamente do que é feito o recheio. A primeira é de algodão e a segunda é de bambu. As de bambu não secam tão bem quanto as outras.



Easy fix da marca Popolini – Só temos uma dessa e definitivamente é a pior delas. Não gostei mesmo. Ela é muito grandalhona, pra servir roupa por cima dela é um saco. A que temos também é estilo pocket, mas o recheio é desproporcional à fralda, não tem botões o suficiente pra fechar... enfim... não gostei. Só a estampa é bonitinha...



Easy fit V4 da Totsbots- Esse tipo também é super bom. É praticamente uma pocket, mas o recheio já está na fralda, é meio que a continuação dela. Então não demora tanto pra secar também e absorve super bem. Tem fecho com velcro que funciona super.



Bumgenius- Mais uma pocket, mas que fecha com velcro, também super boa.



E essas são as minha impressões sobre as fraldas que usamos por aqui. A maioria como podem perceber pelos links são de marcas inglesas, já que comprei elas na Alemanha e ainda pela internet. Mas se encontra coisas desse tipo também no Brasil.

PS. Os links são das marcas. Na língua deles mesmo. E também não especificamente o tipo de fralda que nós usamos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…