Pular para o conteúdo principal

Buxtehude

Buxtehude está localizada junto ao rio Este, um afluente do rio Elbe, cerca de 30 Km a sudoeste de Hamburg. A paisagem da cidade é dominada por pântanos, charcos e inundações do rio Este.  Desde o ano de 959 haviam assentamentos na região, que levavam o nome de "Buochstadon". A cidade foi oficialmente fundada em 1197, na parte que hoje leva o nome de Altkloster, devido ao mosteiro que havia na região... Por só existirem pieres na região ela ganhou o sufixo "hude".
Buxtehude

Desde 1881 Buxtehude tem sua própria estação de trem na linha R50 entre Hamburg e Cuxhaven. No final de 2007 esta linha foi adicionada ao sistema de trânsito rápido da S-Bahn Hamburg pela HVV (empresa do transporte público de Hamburg). Desde 1928 existe também uma segunda linha férrea cruzando Buxtehude, a EVB (Eisenbahn-und Verkehrsbetriebe Elbe-Weser, Zeven) entre as regiões ultraperiféricas do distrito de Hamburg e Bremerhaven, na costa do Mar do Norte. O rio Este conecta a cidade ao importante rio Elbe, seis milhas ao norte. Antigamente esta ligação era usada para transportar mercadorias ao pequeno porto, que ainda existe, mas tornou-se menos acessível devido à evolução da cidade e ao assoreamento do rio.

Mapa

A cidade também é conhecida como a "cidade dos contos de fadas". O conto de "A Lebre e o Ouriço" dos Irmãos Grimm  se passa nesta cidade. Além disso, seu nome também é usado em inúmeros contos alemães. Muitas pessoas acreditam que na verdade não existe uma cidade com o nome de Buxtehude, em decorrência disso, existe um provérbio alemão: "... jagen nach Buxtehude", que significa enviar alguém muito longe.

Lukas e Thiago em Buxtehude

Na cidade ouve-se o alemão e um dialeto regional chamado baixo-saxão (Plattdeutsch "ou" Platt "), que raramente é usado, mas ainda é falado pelas pessoas mais velhas. Também uma das escolas locais "Halepaghen-Schule" mantém um concurso de leitura em Plattdeutsch todos os anos, para não perder a tradição.

Am Markt

A prefeitura da cidade de 1418, foi destruída pelo fogo em 1911 junto com os edifícios residenciais adjacentes. O edifício atual foi projetado por A. Sasse. É um edifício de tijolo com torre de canto poligonal. Dentro permanecem ainda os restos das antigas instalações, datadas do século 16.

Rathaus

A igreja de St. Petri, foi construída no final do século XIV. A torre original foi destruída em 1853 por um raio.

Evangelische Pfarrkirche St. Petri.

O prédio do Buxtehude-Museum für Regionalgeschichte und Kunst (antigo Heimatmuseum), com fachada enxaimel, foi construído em 1911 para abrigar as coleções da Associação de Museus, fundada em 1880 pelo fabricante do sabão, Julius Cäsar Kähler. Em 1992 foi construído um anexo, por onde hoje é a entrada. O museu apresenta exposições de artesanato locais.

Heimatmuseum

Bürgerhäuser - Apesar das inúmeras mudanças, alguns edifícios residenciais mais antigos permaneceram na cidade, especialmente aqueles localizados ao longo da rua "Westfleth". A maioria das casas foi construída em estilo enxaimel. Vários edifícios mais tarde foram rebocados de modo que eles hoje parecem construções de pedra.
Fachwerkhäuser


Fleet

Westfleth


A escultura do Flethenkieker (o Lukas e eu deduzimos vir do Plattdeutsch e que nós entendemos como sendo algo como “o observador das áreas de inundação”), foi criado pelo artista Eggers Carsten, para representar as pessoas que a partir de 1548, foram escaladas pelo escritório em Hamburg para supervisionar o Düpen (profundidade das águas) do rio Elba e dos canais. Isto resultou no apelido de "Flethenkieker”.

Leticia e o Flethenkieker

Essa visita nós fizemos em uma manhã, acredito que não demoramos mais que 2h... é uma cidadezinha pequena e bem bonitinha!! Obviamente deve ter muito mais coisa prá ver e visitar... nós não entramos em nenhum lugar, mas acredito que deva dar prá passar pelo menos um dia inteiro ali, dependendo da disposição.
Fontes: Wikipedia e site de turismo da cidade ( http://de.wikipedia.org/wiki/Buxtehudehttp://www.buxtehude.de/default.cfm?mid=24232), e obviamente observação in loco.

Comentários

  1. babisenberg
    Enviado em 31/01/2011 as 17:44 | Em resposta a Carla (Männich).
    sabe que eu não sei… vou dar uma pesquisada e te dou uma resposta assim que souber!!

    Carla (Männich)
    Enviado em 26/01/2011 as 18:15
    Oie!!!!
    Gostei do post turístico! Hehe! Excelente guia da cidade em português!!! Isso me levantou uma dúvida: existem cursos de Guia de Turismo aí, como tem aqui?
    E eu adorei o Heimatmuseum!! Parece uma versão edificada de uma colcha de retalhos!!
    Beijos!! Saudades!!

    babisenberg
    Enviado em 26/01/2011 as 16:11 | Em resposta a Lukas.
    verdade!! tinha esquecido dessa parte!!! aquilo nao foi lá muito legal nao…

    Lukas
    Enviado em 26/01/2011 as 14:24
    Nossa…
    agora sim hein… vamos mandar isso pra cidade de Buxtehude e vender como o guia definitivo em portugues… hehehe
    perfeito!!!
    e sim
    tava bem legal… só meio complicado de caminhar em meio àquelas Dachlawinen

    Fred
    Enviado em 26/01/2011 as 12:40
    Olá Babi, gostei da história do Flehtenkiker, estava imaginando o cara observando os rios subindo no Rio de Janeiro, gritando:
    “Água subindo, ÁGUA SUBINDO, SUBINDO, SUBIN…, GLUG, GLUGG, GLUGGG …” triste realidade.
    Um caloroso abraço para vocês dois.
    Onkel Fred

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Conte-me o seu segredo...

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…