Pular para o conteúdo principal

O que eu levo comigo - parte I

Não sei vocês, mas eu não tenho uma única bolsa onde estão todas as minhas coisas prontas pra quando preciso sair. Eu vario bastante as bolsas dependendo do meu estado de espírito, lugar onde vou, roupa que estou vestindo e por aí vai... E como dá para perceber pela foto a maioria das bolsas é de tecido. Uma ali embaixo é de palha de bananeira que ganhei da minha mãe quando ainda morava na Alemanha. E é assim que eu faço, sempre coloco tudo antes de sair e tiro tudo logo depois que volto. Pode parecer meio trabalhoso, mas sei lá, me acostumei a fazer assim. E vocês, tem uma bolsa cativa ou também tem várias que vão alternando??


Comentários

  1. Babi, adorei as bolsas! Eu sou que nem você, troco sempre de bolsa. Nem acho mais trabalho ficar trocando as coisas, sabe, eu já chego, guardo tudo no lugar, e depois é só colocar de novo na bolsa. Na verdade acho bem simples! haha

    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também não acho trabalhoso, acho que de tanto fazer já é meio automático né?!

      Excluir
  2. Acho que até a mulher mais básica do mundo não tem uma bolsa só, rs... haha
    Eu tb tenho algumas que vou alternando, pelos mesmos motivos que você. Somente que eu deixo pra tirar e por tudo na bolsa quando resolvo trocar, o que me faz as vezes esquecer alguma coisa dentro de outra bolsa.
    Interessante essa bolsa de bananeira. Teve uma época que eu quis muito uma feita de capim dourado, mas não consegui comprar. Quem sabe ainda acho uma! Bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso é verdade Sandra... Eu me considero uma mulher básica, nem acho que tenho tantas bolsas assim... ehhehhhe...

      É, volta e meia esqueço coisas também, mesmo que estivessem ali no lugar de sempre...

      Ai capim dourado é lindo, tinha um brinco com as flores dele, pena que estragou... snif, snif...

      Excluir
  3. Babi, escrevi meu comentário por aqui, espero que tenha sido enviado...

    ResponderExcluir
  4. Lindas as bolsas!! :)
    Eu não troco sempre, senão esqueço a metade das coisas... sou meio desorganizada com isso... haha tenho uma bolsa de todo dia, e quando me animo ou acho que ela nem encaixa com a roupa, aí recorro as outras!!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também volta e meia esqueço coisas, mas acho que isso aconteceria mesmo se eu não trocasse de bolsas... hahhahah...

      Excluir
  5. Oi Barbara! Adorei suas bolsas! Lindas! Mas sou seu oposto. Tenho uma bolsa só, grande, basicona, que cabe minhas coisas e mais uma big necesaire com mudas de roupas e calcinhas pra Laura caso aconteça um acidente de percurso na rua. E mais copo d'água, biscoito. Só troco de bolsa se for sair sozinha, sem as meninas, pra algum programa mais adulto, e pego uma de couro mais bonita. Bjs Ma (www.seguindoahistoria.blogspot.com)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois então Ma, depois que o Leopold nasceu eu também uso basicamente só uma bolsa, a dele, com todos os apetrechos necessários, coisas minhas mesmo quase não tem mais... hahuhauahua

      Excluir

Postar um comentário

Conte-me o seu segredo...

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…