Pular para o conteúdo principal

Casamento civil, formatura e ultimos preparativos

Continuando então de onde parei no post anterior...
O Lukas voltou na terça e o papi e mami vieram na quarta prás comemorações que se seguiriam naquela semana. Os dois, mortos como estavam dormiram logo e eu fiquei assistindo tv, depois de muito tempo que não fazia isso... durante os longos meses em que o Lukas esteve lá longe eu detonei muitos seriados (Bones, Cold Case, obviamente Gilmore Girls, Pushing Daisies, etc), aproveitando que o computador ficou no meu quarto neste período.
Na quinta, dia 05, foi então o dia do casamento civil. Foi só às 5h da tarde e coisa rápida, o tiozinho falou umas coisas, assinamos os papéis e tchau, sem enrolação... Como tivemos tempo livre até a hora da janta, demos uma esticadinha até o Chez Arnold prá comer um pedaço de torta... prevendo o banquete da noite, o Lukas e eu dividimos um pedaço de torta de limão, o que se mostrou uma ótima idéia... hehehhehh... O jantar foi na casa dos sogros (meus) com nossos pais e irmãos (como os meninos estão na Alemanha perderam essa e só a Sabine representou a categoria).



Na sexta-feira acordar cedo (7h) e ir até a PUC em São José dos Pinhais foi uma tortura, ficar lá sentada ouvindo as instruções do pessoal tb, tudo terminou perto das 11h... e quanta frescura... Voltamos prá casa, almoçamos no Mueller rapidamente (sanduiche no Subway) e lá vou eu pro salão fazer cabelo e maquiagem. E o medo de não fazerem as coisas do jeito que eu pedi?!!! Mas no fim, ficou bom, eu nunca me gosto de maquiagem mesmo... E às 17:30h tínhamos que estar mais uma vez na PUC - São José, obviamente que nem todos chegaram no horário, ninguém nunca chega... Últimas instruções do pessoal da Polyndia e pudemos ir lá fora receber os convidados, só que nem metade estava lá quando estava quase na hora de começar, estavam todos preseos no trânsito... muitos formandos qdo entraram não tinham nem os pais na platéia, um pouco triste, mas eu como pessoa a favor da pontualidade, fiquei na dúvida sobre o que era o mais certo a se fazer numa situação como essa... Enfim, entramos, muitas fotos, aquelas luzes todas, aquele monte de gente ( que lá de cima nem dá prá ver direito, o que é bem bom)... Tinha    muita coisa prá lembrar de fazer: qdo senta, qdo levanta, sorri nessa hora, põem o chapéu, tira chapéu, anda por aqui, pára em cima do pezinho... muitos detalhes, mas no fim deu tudo certo!! Diploma na mão e prá minha surpresa, ainda levo prá casa o prêmio Marcelino Champagnat!! Deu até uma tremedeira, mas como ninguém comentou nada comigo, acho que nem deu prá ver nada lá de baixo... hehhehheh... E foi isso, homenagens, chororô e aquela coisa básica que tem em todas as formaturas. Quando terminou saímos prá cumprimentar o povo, aí todos os conidados já estavam por lá... Minha turma depois se reuniu no restaurante Sacristia prá comer, eu estrava podre, comi só por obrigação, nunca achei que cansasse tanto... Mas foi bem legal!!!
Aí domingo voltei com o papi e a mami prá casa no MS, brinquei bastante com a máquina fotográfica no meio do caminho (tem que arranjar o que fazer num percurso de 900km né?!!). Passamos na Oma Christa prum lanche da tarde, que prá variar estava uma delícia!! E continuamos prá casa, onde chegamos perto das 9h da noite. Passei então a semana lá, o Lukas se juntou a mim na terça-feira, na quarta fomos a Ponta Porã, fazer a identidade nova, passeamos na Casa China e nos entupimos de sorvete, e o resto da semana ficamos na fazenda mesmo, andando, vendo filmes de qdo era criança, filmes e seriados da tv, enfim, descansamos prá aguentar a correria dos dias seguintes... No sábado embarcamos de volta prá Curitiba prá enfrentar a maratona das 2 últimas semanas no Brasil...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…