Pular para o conteúdo principal

Divagações

Dia desses estava pensando em como seria a minha apresentação nessas apresentações que se fazem de profissionais em revistas ou blogs ou exposições e tal. Fiquei pensando em como eu seria apresentada como artista, em quais coisas seriam importantes de serem ditas/ escritas ali. Muitas vezes se começa bem do começo dizendo sobre o contato com as artes ainda na infância. 

Eu não cresci numa casa muito artística, minha mãe mal e mal me ensinou a crochetar. Mas minha vó e minha tia bordavam e tricotavam adoidado. Minha tia tinha uma loja de armarinhos e eu me diverti muito lá ajudando e sonhando acordada naquele mundo colorido cheio de possibilidades.

Fico me perguntando também de onde vem essa minha facilidade em combinações não tão obvias e que volta e meia surpreendem as pessoas. Alguns vão nas teorias de cores e precisam aprender, mas pra mim parece meio automático, meio obvio. Meio como a matematica sempre foi pra mim na minha vida escolar inteira. Enquanto o resto da turma se matava pra entender eu tava lá de boa.

Aí tem também os meus anos no teatro. Que era amador, era na igreja mas que ainda assim me fez apresentar 3 peças no Festival de Teatro de Curitiba que não é pouca coisa.  O quanto desses anos ensaiando todo domingo, trocando ideias, lendo, estudando não me ajudaram a formar a artista que sou hoje apesar de em uma área totalmente diferente.

E a minha formação formal precisaria entrar também numa descrição. O que turismo tem a ver com  parchwork e quilting??

Enfim, divagações...

Comentários

  1. De um jeito ou de outro, todas as nossas formações e experiências passadas contribuem para o que somos hoje. E as artes, se relacionam muito entre si! Não pense que porque teatro ou turismo parecem meio distantes do patchwork não tenham pontos em comum! É o que se chama Portable Skills, habilidades que são transferíveis de uma profissão para outra. Seja criatividade, atenção ao detalhe, expressão artística, comunicação verbal e não verbal... tem muitas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faz muito sentido isso que você escreveu Mariana! Não tinha parado pra pensar nisso!! Obrigada!
      beijos

      Excluir

Postar um comentário

Conte-me o seu segredo...

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…