Pular para o conteúdo principal

Elbkinder

***Antes de mais nada obrigada pelos queridos comentários no post anterior. Me senti abraçada por todas vocês. Muito obrigada mesmo!!!***

E não é que consegui encontrar a música que eu queria mostrar aqui pra vocês?!

Essa música me emociona por diversas razoes e nem sei explicar bem porque. Mas vou tentar me fazer entender.

Pra começar a música fala de uma menino que mora em Dresden e joga uma garrafa com uma carta dentro do rio Elbe. Essa mesma garrafa vai ser encontrada por uma menina em Finkenwerder, que é um bairro de Hamburg. E daí eles falam um pouco do rio Elbe, que passa por boa parte de Alemanha.
É então basicamente um ode ao rio Elbe e às suas crianças. O refrão diz:

"Em casa peguei o atlas nas mãos e admirei tudo que encontrei ao longo do rio.

Elbkinder (as crianças do rio Elbe) moram no campo
Elbkinder gostam de brincar na praia ( no caso do rio)
Elbkinder moram na cidade
elas cantam em hoch, mol e platt (acredito que uma alusão aos dialetos falados nas regiões banhadas pelo rio - Hochdeutsch, Plattdeutsch... só o mol não sei a que se refere)
Elbkinder brincam de capitão
Elbkinder querem viajar
Elbkinder cospem no vento
porque são meninos e meninas do rio Elbe"

enfim, acho tudo muito bonitinho nessa música. Não sei se porque fala de Hamburg. Não sei se porque fala do rio Elbe. Não sei se porque querendo ou não meu filho é de Hamburg e assim sendo o considero também um " Elbkinder"!!

Enfim, aí está um clipe com ela (bem tosquinho por sinal, mas né?), e logo em seguida a letra em alemao para quem quiser acompanhar! Divirtam-se!





ELBKINDER
Musik: Michael Reinecke
Text: Rolf Zuckowski

Ich heiße Annika und wohn in Finkenwerder
und neulich fand ich eine Flaschenpost am Strand.
Ich hab sie aufgemacht und gleich den Brief gelesen.
Nun hört mal alle zu, was da geschrieben stand:
Ich bin Jan-Hendrick und ich wohn im schönen Dresden,
wir sind auf Klassenreise hier am Königstein
und diese Flaschenpost, die soll ein Gruß aus meiner Heimat sein,
wenn du sie findest schreib zurück, ich würd mich riesig freun.

Zu Haus nahm ich den Atlas in die Hand
und staunte, was ich da so alles an der Elbe fand.

Elbkinder leben auf dem Land,
Elbkinder spielen gern am Strand.
Elbkinder leben in der Stadt,
sie singen mal auf hoch un mol up Platt,
Elbkinder spielen Kapitän,
Elbkinder woll’n auf Reisen gehn.
Elbkinder spucken in den Wind,
weil sie Jungs und Mädchen von der Elbe sind.

Ich hab Jan-Hendrik noch am selben Tag geschrieben
und meinen Brief am Abend gleich zur Post gebracht.
Ich hab erzählt, wie wir in Finkenwerder leben,
und dass die Elbe uns auch manchen Kummer macht.
Ich hab in Dresden meinen allerbesten Freunden
ganz stolz den ersten Brief von Annika gezeigt,
und alle sagten: “Mensch, Jan-Hendrick, vielleicht klappts ja irgendwann,
dann fährst du selber zu ihr hin und schaust dir alles an.”

Dann nahmen wir den Atlas in die Hand
und fuhren mit dem Finger immer an der Elbe lang.


Elbkinder leben auf dem Land...

Comentários

Postar um comentário

Conte-me o seu segredo...

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…