Pular para o conteúdo principal

Meu, meu, meu

Uma coisa que sempre me incomoda, é quando pessoas se referem à outras pessoas com pronomes possessivos. Na minha cabeça, uma coisa é você explicar pra alguém com quem não tenha muito ou nenhum contato, quem é aquela pessoa, na hora de mencionar ou apresentar. Outra bem diferente é tratar sempre com um pronome atrelado. A família do meu marido (além de outras pessoas claro) tem essa mania. Por exemplo, em vez de se referirem aos meus pais por exemplo, pelo nome deles, afinal, eles se conhecem, não são super amigos, mas se conhecem de nome, já conversaram e tal, mas eles sempre se referem ao papel que meus pais representam, ou sendo os sogros do meu marido (o pior caso na minha opinião) ou como meus pais. A parte de serem meus pais eu até entendo, afinal foi através de mim que eles os conhecem, ou seja, a ligação é por mim. Já quando é pelo Lukas eu acho estranho, não sei explicar bem porque. Mas o pior de tudo na minha opinião é quando as pessoas se referem sempre ao papel que as pessoas tem na vida delas. Elas nunca são fulano ou ciclano, são sempre "meu isso", "meu aquilo", isso me incomoda bastante. E como já disse não sei bem porquê. Acho que não gosto que se refiam à pessoas como se fossem objetos de alguém. Sei que a intenção não é essa, mas eu acredito que cada pessoa é única, tem sua própria personalidade, e quando alguem diz que ela é "minha" alguma coisa parece que ela perde esse valor. Parece que o valor é somente ser o "aquilo" de alguém. Deu pra  me entender?!

Mesmo com o pequeno, não me sinto à vontade quando tenho que dizer que é "meu" filho. Parece que não está certo. Sim, ele saiu de mim, é minha responsabilidade, mas antes de tudo ele é ele, com a personalidade dele, as vontades dele, o jeito dele. Ele ser "meu filho" é totalmente secundário na minha opinião. Imaginem então como eu me sinto quando ficam apresentando ele por aí como "meu neto", "meu sobrinho", "meu não-sei-o-quê". 

Enfim... doideiras da minha cabeça...

Comentários

  1. Barbara, eu entendo seu ponto de vista, mas vejo o pronome possessivo como algo tão carinhoso. Adoro quando meu pai me apresenta para alguém como "minha menina". Acho fofo.

    ResponderExcluir
  2. rsrs, que engracado, Babi, tu é mesmo um tantinho estranha, ahahaha....mas outro dia pensei nisso. Eu sempre digo ao meu filho, por, exemplo, "vai la com o teu pai", entao, percebi que isso nao é mt legal. Meu marido sempre diz, sei la, algo como, "diz pra mama", e nunca tua mae. entende? Fica mais bonitinho, mais meigo, mas carinhoso...
    Agora, "meu filho" , eu faco questao de dizer ;-) Apesar de que marido ja reclamou, "nosso filho", diz ele. Mas desconfio que isso é mesmo ,mt possessivo da minha parte, é que mae se acha ;-)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Conte-me o seu segredo...

Postagens mais visitadas deste blog

torta alemã

Alguém sabe me dizer a origem da chamada torta alemã? Porque aqui na Alemanha mesmo, nunca vi nenhuma torta desse tipo como a que conhecemos no Brasil... 
Dei uma pesquisada no google, mas não tive muitas respostas não. As duas versões que me fizeram mais sentido foram: 1- que uma descendente de alemães lá em Santa Catarina ficou com saudades das tortas da sua terra natal e adaptou uma torta com os ingredientes encontrados ali; 2- que seria uma versão do conhecido Kalter Hund, que a torta alemã teria em diferente um creme de manteiga e creme de leite ao invés do chocolate como recheio. E aí, alguém tem palpites?? Ou já viu uma torta alemã na Alemanha??

A diferença entre Quark e ricota

Quando tínhamos ainda vacas na fazenda, lembro que a mami fazia a tal chamada ricota pelos brasileiros, mas a gente lá em casa sempre chamou de "quark"... beleza, depois que vc tem que procurar o negócio no mercado se acostuma com o nome ricota, que todo mundo diz que é o do tal negócio... E é uma coisa que eu gosto muito de comer... Um tempo atrás decidi que queria comer panquecas, e prá mim a melhor delas é a recheada com ricota! Vamos então no mercado comprar "quark" que é prá ser o mesmo que a chamada ricota no Brasil... Mas não é a mesma coisa não!!! Primeiro a consistência é bem diferente, o quark é bem mais macio que a ricota, e também bem mais azedo... A ricota brasileira é meio esfarelenta, mais seca, o quark é um creme, uma pasta bem fácil de passar no pão por exemplo. Foi então pesquisar na internet, prá descobrir então se por acaso não existia uma diferença entre eles, já que eram tão diferentes... achei que a principio fosse só uma diferença de nomenc…

Odeio ser chamada de tia

Cresci em família de descendência alemã, pra mim sempre foi super normal chamar meus tios e tias de Onkel e Tante, até hoje não consigo me referir à eles sem esse pronome (se é que o nome é esse mesmo, mas vocês entendem o que eu quero dizer). Pra mim tia era o  nome pelo qual as minhas amigas chamavam a minha mãe e a mãe de todos os amiguinhos da escola. No Brasil isso é super normal, pelo menos lá onde eu cresci. É meio que costume chamar pessoas mais velhas de tio ou tia, um sinal de respeito. Então pra mim, esse negócio de tia sempre pega por esse lado. Meu maior terror quando voltar aos Brasil é voltar a ser chamada de tia (me arrepio só de pensar). Pra piorar sobrinhos do marido foram ensinados a me chamar de tia, já sentiram a minha reação né?!  arrepios... É ainda pior quando adultos se referem a mim com esse “pronome”, ui, mais arrepios... Por isso meus filhos vão chamar seus tios de sangue de Tante e Onkel, assim como os avó são Opa e Oma. Gente, não consigo me referir a par…